Real e ideal

Real e ideal

Autor: Antonio Pereira (Apon)

 

O amor ideal,

É pleno, incontido, irrefreado...

O amor real,

carrega impermanência da realidade:

Como o dia e a noite,

A chuva e o estil,

O silêncio e o som,

O cheio e o vazio.

O amor ideal,

Tem a auto-suficiência

Do sonho, da emoção, do querer...

O amor real,

Experimenta a sazonalidade do cotidiano,

O embate entre o desejo e a razão,

A dialética do dia-a-dia,

A inconstância da vida...

Assim:

Real e ideal,

Confundem-se, alternam-se:

Como o perfume e os espinhos da rosa,

O infindo ir e vir do mar,

O ciclo das águas,

O clima das estações...

O amor ideal,

É perfeito, irretocável, ilimitado...

O amor real,

Tem a imperfeição de nossas imperfeições,

A fragilidade de nossas fragilidades,

O limite de nossas limitações.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://aponarte.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”