A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



terça-feira, 30 de junho de 2009

Peter Pan Jackson



Peter Pan Jackson
Por: Antonio Pereira (Apon)

Ele viveu no limiar entre a fantasia e a realidade. Fugitivo de si mesmo, materializou no corpo, os fantasmas que assombravam sua alma torturada. O ser humano sucumbiu à força do mito.
Um artista genial, mas um homem desencontrado num querer ser “Peter Pan”, enquanto a vida lhe trazia uma “overdose” de realidade: a infância violentada, o colecionar escândalos, o ataque dos exploradores, a embriaguês dos artifícios, o destruir a saúde, o não aceitar-se...
Morreu Michael Jackson, calou-se a voz que embalou gerações. Calaram as baladas românticas, a “black music”, o “pop rock”. Voou para a “Terra do Nunca”, para nunca mais voltar.
Sua arte é seu grande legado. O resto, será devorado pelos abutres da ganância, os parasitas da maledicência, os mercadores da mediocridade, os vermes do oportunismo...
Segue em paz Michael. Que finalmente você se encontre, encontre a luz e nela se ilumine. Que uma real alegria lhe renove o espírito e, no infinito, possas dançar como nunca e como nunca cantar, ser capaz de inspirar os artistas daqui. Boa viagem!!!

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://aponarte.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Alguns pensamentos de um baiano



... doença na saúde... Eleitores provincianos, elegem políticos provincianos. Como querem que a Bahia deixe de ser essa...


Antonio Pereira Apon.



Elevador Lacerda.


Se “baiano burro, nasce morto”, como é que temos votado tão mal?

Reclamam do descalabro na cultura, da (in)segurança pública, da (des)educação no

domingo, 7 de junho de 2009

Eterno enamorar



... quereres num só querer, o sentir a esculpir nossos momentos, enquanto fogem em revoada as quimeras, dispersas, pelo sonho que sorri em seu sorriso...
Antonio Pereira Apon.



Pombo ao alvorecer.

O amor é como sol,
Que colore meu jardim na primavera.
É como a flor,
Que o orvalho vem beijar.
Tem o frescor do alvorecer
E o calor do coração,
Marcando o compasso da paixão.