Flores, cores, ação! Prelúdio de primavera



Vem chegando a primavera lá fora. Quando semearemos setembro nos corações?

Antonio Pereira Apon.


Pássaro em galho de flores.

Como criança a descobrir encantamentos em sua caixa de lápis de cor, sai a rabiscar flores, rascunhar perfumosos poemas. Qual magnífico artista, acorda na tela da vida paisagens mais que impressionistas. Dança ao som de setembros abaixo do equador, trilha erudita e popular. Borda um acróstico para Rosas, Violetas, Verbenas, Margaridas, Hortênsias, Jacintos, Acácias, Floras, Dálias, Açucenas, Angélicas, Camélias, Narcisos, Verónicas, Éricas... E mesmo para quem não tem nome de flor.


Uma estação com espírito de esperança, essência da mais pura inspiração. Vem chegando a primavera lá fora. Quando semearemos uma primavera na alma, setembro nos corações, entre as flores e as pedras do existir?


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Oi, estimado Antônio!

    Aquela imagem, ali acima, apetece abraçar.
    Seu texto tem cheiro e sabor (já tomei o pequeno almoço, sim).

    É quase primavera e a vida começa a renascer. Aqui, em Portugal, está sucedendo o contrário, logicamente.

    Boa pergunta, a de você. Para quando a nossa primavera INTERIOR?

    Boa semana.

    Aquele abração.

    ResponderExcluir
  2. Essa é a Primavera mais difícil de acontecer plenamente: - semear nos corações! Lindo!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite meu amigo poeta!
    Lindíssimo isso que escrevestes, a primavera é mesmo inspiradora, nos faz alegres, felizes mesmo, tanto que até vemos belezas até onde elas estão escondidas, pois creia meu amigo, as belezas são para isso, termos de buscá-las onde estiverem!
    Amei demais isso!
    Abraços e uma linda primavera pra você!

    ResponderExcluir
  4. Oi, António!

    Tudo bem?

    Vim a seu blog, porque não sabia se tinha ou não deixado comentário, neste seu texto.

    Estava, também olhando o painel de seu blog, e me questionei: 235 seguidores, mas os comentários não correspondem nem à metade desse número.
    Bem sei que as pessoas podem "seguir" e não comentar, mas isso é "agulha em palheiro".
    Quem lê suas publicações as comenta, e o resto é "trinta e um de boca".

    Mas por motivo as pessoas colocam as fotos delas, ou símbolos, quando só passaram uma/duas vezes, por um blog?

    Eu, quando isso acontece, bloqueio a pessoa ou o símbolo, pura e simplesmente. Há alguns /umas que ficam, muito aborrecidas e sentidas comigo, mas eu entendo as coisas desse jeito e quem manda nos meus blogs, sou eu.

    Eu comento blogs, onde nem coloquei minha foto, porque nunca sei quando o solo se tornará "movediço" e não me dou bem, com incertezas temperamentais. É evidente que não estou falando de um afastamento, por motivos pessoais, ou mesmo uma paragem, mas de outras situações.

    Um lindo dia.

    Aquele abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa questão de comentários e seguidores, é bem delicada. Uma equação que não fecha. Ultimamente tenho usado o critério da reciprocidade. Comentando nos blogs de quem comenta aqui. Os demais, vão fazendo numero.

      Um abração.

      Excluir
  5. Lindo escrito inspirado na primavera... fez florescer meu espírito de suavidade e cor! Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Bom Dia, amigo!

    Lindo texto! Amo a Primavera, pois é uma "explosão de vida"!
    Tudo desperta, inclusive os sonhos!
    Tenha um lindo dia!
    Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"

Ganhadores. O que faz a diferença

Tempo e amor