Desentulha meu amigo!



... pior que o sobejar de materialidades, é o entulho existencial que faz pesar a nossa vida: Defeitos e manias de estimação, coleções de...


Antonio Pereira Apon.


O fim do mundo e O grande dia da sua ira - John Martin.


Nascemos sem nem a roupa do corpo e partiremos despidos de tudo, inclusive do corpo, consumido no túmulo ou na cremação. Mas levamos a vida acumulando coisas, entulhando o dia a dia de tralhas, cacarecos, trecos e afins. São inúteis utilitários, sapatos e roupas que não vestimos, florestas de papel, objetos que obsolescem sem uso, modernosos gadgets envelhecidos pelo desuso, souvenires esquecidos, adornos empoeirados, livros e discos, coleções de nadas, conjuntos de coisa alguma, extravagâncias, desnecessidades, ostentações… Supérfluos redundante e absolutamente, supérfluos.


Mas, bem pior que o sobejar de materialidades, é o entulho existencial que faz pesar a nossa vida: Defeitos e manias de estimação, coleções de melindres e implicâncias, conjuntos de mágoas e ressentimentos, jogos de personalismos e dominação, monturos de inimizades e antipatias, muletas comportamentais, arquivos de desentendimentos, anais de mal-entendidos e maledicências, excentricidades, futilidades, preconceitos, dogmas, intolerâncias, invencionices, psicoses… Entulhos da alma que nada somam, assomam em dificuldades, distúrbios e insanidades do espírito humano.


Assim, sobrevivemos a lamentar a falta de tempo, de dinheiro, as incompreensões, incompatibilidades, distonias, inaceitações… E vamos terceirizando culpas, afinal, “o inferno são os outros”, como disse Sartre. E isso não tem solução? ... Tem sim, está dentro de mim, de você, dele, dela... Desentulha gente!



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Olá, António!

    Mais um fabuloso texto em que dás nas "cabeças" de todo o mundo, incluindo na tua, e com toda a razão.
    Mais do que deitar fora o lixo, o entulho de coisas materiais, o importante será ficarmos limpos de corpo e alma, portanto, desentulhados. Mas será que alguém consegue isso?

    A pintura é "medonha", entulho e mais entulho, que só findará no fim desse sistema.

    Abracinho, menino!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já basta o peso natural e inevitável da vida, não devemos nos sobrecarregar com o insensato sobrepeso de nossos desatinos. Desentulhar vamos, querendo ou não, a lei da evolução nos levará a isso. Mas quando? Esse o problema. Quanto mais tardamos, pior para nós mesmos.

      Um abraço e bom fim de semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"