A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Cuidado com o "detalhe"





Parecer e ser desimportante. Um "detalhe" pode fazer a mais absoluta diferença. Pense nisso!


Antonio Pereira Apon.



O homem ferido, pintura de Gustave Courbet.


Aquele milionário tinha verdadeiro pavor da morte, supersticioso, impressionável e já superlativamente impressionado com um recorrente sonho, no qual se via caído em meio a uma poça de sangue. Resolveu consultar uma renomada vidente, famosa pelos acertos na maioria de suas predições. Sem ser informada dos sombrios pesadelos dele, a moça segurou as mãos do ricaço, se concentrou e confirmando os temores do sujeito, profetizou:


- O senhor corre um sério risco de vida, não consigo saber se um atentado, um assalto… Vejo-o gravemente ferido, caído numa poça de sangue…


- Essa imagem tem atormentado meu sono a dias! O que posso fazer? Como evitar isso? Eu não quero morrer! …


- O senhor precisa atentar para sua segurança e a de quem está ao seu redor. Cuide dos detalhes, preste atenção nas mínimas coisas, assim poderás driblar esse infortúnio…


Apavoradamente paranoico, trocou seu carro blindado por um ainda mais reforçado, contratou os melhores e mais caros guarda-costas, gastou uma fortuna com os mais modernos dispositivos de vigilância e todo tipo de bugiganga que oferecesse alguma promessa de proteção. A casa, as empresas, tudo e todos eram monitorados vinte e cinco horas por dia, oito dias por semana e reuniões quase diárias tratavam da segurança. Num desses encontros, o encarregado de manutenção da sede do conglomerado empresarial, alertou:


- Senhor, temos percebido algumas fissuras no revestimento da fachada do prédio, seria bom pensar numa troca…


- Estamos aqui para tratar de coisa séria! Você vem me incomodar com um detalhe besta desse?! Eu lá estou preocupado com revestimento nenhum! ...


Poucos dias depois, cercado de seguranças o atemorizado empresário chegava para mais um dia de trabalho, quando um pedaço da fachada se desprendeu o atingindo com gravidade, materializando os nefastos presságios.


Pois é, como diz aquele ditado: “Tem gente que engole um boi e se engasga com um mosquito”. Cuidado! Não menospreze o “detalhe”, pode não ser tão insignificante.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Compartilhe:

2 comentários:

  1. "Pobrezinho" do ricaço, Tonico (rs)!

    Eu não acredito em bruxas, mas que as há, há, como dizem os espanhóis.
    Pormenores têm muita importância, embora muitos julguem que não e teu texto bem que nos mostrou e reforçou essa ideia.
    Eu sou toda pormenor e pelo pormenor. Um sinalzinho no rosto, no corpo, uma covinha na face, ah, pra mim, é o "paraíso".

    "Détail" entre aspas. Muito bem! C' est un mot français, que aportuguesaram, sobretudo vocês. É o chamado estrangeirismo. Tôu ensinando Português pra você (rssssssssssssssssss)!

    A pintura de Courbert é linda e o moço, que está ferido e tombado no chão, tem um rosto de Apolo. Apetece ressuscitar (rs). Como é que se faz quando uma pessoa está desmaiada e a gente quer que ela volte a si? Sabes? Massagem cardíaca e que mais (rs)?

    Ora, e agora, o respetivo abraço, porque estás longe de mim (ai, não me "apertes" tanto, António, pois minha cervical, dorsal e lombar estão muito fraquinhas e doendo -rsssssssss).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As "pequenas coisas" costumam levar às grandes e um insuspeito "detalhe" pode fazer toda a diferença. Vidente não é necessariamente bruxa, é certo que muitos, ditos, videntes não passam de picaretas desavergonhados. Mas, há médiuns sérios e capazes, que usam sua mediunidade para ajudar seus semelhantes e não para auferir lucros.

      Infelizmente, o rapaz da pintura, já está morto a mais de um século, não tem ressuscitação que dê jeito. Rs rs rs... O sujeito já deve até ter reencarnado! Rs rs rs...

      Como já disse: Purtugues nois ja sabe. Agora nois qué aprendê ingres, flanseis...

      Meu abração já virou um comedido abraço, suave e breve. Bom dia.

      Excluir

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.