Quem “não quer se aborrecer”, pode terminar aborrecido



A ilusória fuga de alguns aborrecimentos. Costuma ser o caminho mais curto para maiores aborrecimentos.


Antonio Pereira Apon.


Gato marrom.


A pretexto de não se aborrecer, algumas pessoas sobrevivem engolindo uma indigesta, aborrecida e aborrecedora ração de “sapos, cobras e lagartos”:

Em casa, os filhos se recusam a ajudar nas atividades domésticas, apesar de consumirem, sujarem, bagunçarem... Crescem na idade e estacionam na imaturidade, eternos “filhinhos de papai (e de mamãe)”. Se gasta o que tem, o que não tem e mais alguma coisa. É quando surge o tal do: “Para não me aborrecer”... Alguém arca com a sobrecarga de tarefas que outrem poderia e deveria fazer; além de “se arrebentar” de trabalhar, para bancar a gastança desregrada.


Na vizinhança: Um discute relação às duas da manhã, outro põe o som naquelas alturas, violentando os ouvidos adjacentes com seu dissonante lixo pagodeiro; tem quem suje a porta alheia... Mas, em nome da “política de boa vizinhança” e: “Para não me aborrecer”...


Estudando: Tem aquele colega que não estuda, atrapalha a aula e na hora da avaliação, fica ali colado, colando. E no trabalho de grupo? O parasita não colabora, mas quer seu nome na lista para ter sua imerecida nota. “Para não me aborrecer”...


No trabalho: Tem aquele encostado que vive “dando nó em pingo de éter”, enrolando, fofocando, intrigando e bajulando a chefia para auferir vantagens, favores... Contudo, “para não me aborrecer”...


Assim: Tolerando o intolerável, aceitando o inaceitável... “Para não me aborrecer”... A criatura termina estressada, ansiosa, hipertensa, cardíaca, patologicamente aposentada e cronicamente aborrecida.


Pois é caro leitor. Para não me aborrecer... Vou terminando por aqui.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. E, o pior que acho disso tudo é que vamos nos entregando a tudo e a todos submetendo-nos ainda que contrariados e quando tomamos uma postura... ah! somos dinamitados como insensíveis, chatos, antiquados, velho e por ai vai... Limites é o que falta, pois o meu direito vai onde começa o do outro! Ótimas suas considerações, Antonio!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  2. Oi Antonio,

    Nossa! Seu texto me fez pensar em tantas coisas que faço "para não me aborrecer"!
    Mas o pior de tudo isso, é que vamos acatando como "se normal fosse"!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Apon! Infelizmente essas pessoas que acabam sendo polpadas pela força das circunstâncias passa uma vida achando que os outros sempre tem a obrigação de fazer por eles...fazer o que. Não sabem o que é respeito pelo outro. Um abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Pai. Sem ser super, ser “Herói”

Cidadão. Saia da caverna!