O que os olhos não veem, o corpo sente              

em segunda-feira, 7 de março de 2011



... sem o menor constrangimento, abaixou a bermuda por debaixo da saia e ali mesmo urinou. Depois de satisfazer sua necessidade fisiológica, secou as mãos molhadas de xixi na própria roupa, se recompôs e seguiu com suas vendas. Um cidadão, que de nada suspeitava, chegou, comprou uma latinha de cerveja e saiu bebendo...


Antonio Pereira Apon.


Ônibus.


São constantes os alertas, para que se tenha cuidado ao consumir alimentos e bebidas vendidos nas ruas. Não são raras as intoxicações e infecções, que em alguns casos, podem até levar à morte, são provocadas pela falta de higiene no preparo e ou manuseio, acondicionamento inadequado, exposição a agentes contaminantes...


O absurdo que lhes vou contar, é um relato verídico dos riscos aos quais estamos expostos:


O ônibus vindo do Campo Grande, parou no ponto da Praça da Piedade, em frente ao Bradesco e o Center Lapa. Enquanto alguns passageiros desciam, outros mais atentos puderam assistir estupefatos:


Uma ambulante que vendia água, cerveja, refrigerantes, doces e salgados. Vestiu uma saia (tipo cigana) por cima da bermuda que usava. Agachou-se atrás da caixa de isopor, onde guardava as bebidas, e sem o menor constrangimento, abaixou a bermuda por debaixo da saia e ali mesmo urinou. Depois de satisfazer sua necessidade fisiológica, secou as mãos molhadas de xixi na própria roupa, se recompôs e seguiu com suas vendas. Um cidadão, que de nada suspeitava, chegou, comprou uma latinha de cerveja e saiu bebendo. O coletivo partiu, seguiu pela Avenida Joana Angélica...


Preciso dizer mais alguma coisa?




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.







Fale conosco:




Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!



Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...


Topo