A traída - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

terça-feira, 6 de março de 2018

 

                    A traída              

     

... um mal cuidado Casarão, subiu ao primeiro andar e olhando pela fresta de uma porta entreaberta, viu seu amado deitado de bruços, um outro marmanjo atracado sobre ele e ambos ofegantes, suando em profusão...


Antonio Pereira Apon.


Pelourinho. Salvador-Ba.


Mariana e Amadeu estavam casados há poucos meses. Apesar de professarem um protestantismo rígido, anteciparam os "finalmentes", e a moçoila já casou com dois meses de gravidez. Ela vendia frutas na Feirinha do Japão e ele trabalhava como carpinteiro de uma construtora lá em Itapuã. A felicidade transbordava na modesta casinha do casal. Localizada no carnavalesco bairro da Liberdade.


A mocinha começou a estranhar, quando o marido começou a chegar mais tarde em alguns dias da semana, dizendo o moço que a obra estava com o cronograma atrasado e precisavam dar horas extras para não perderem o prazo de entrega.


O caso é que o rapaz começou a chegar todo perfumado e com os cabelos molhados. Ela achava impossível, ele vir de Itapuã até a Liberdade e chegar todo "Mauricinho", depois de enfrentar o "velho buzú" lotado em mais de uma hora nos crônicos engarrafamentos de Salvador.


Quando ela tocava no assunto, o dito cujo desconversava aborrecido:

- Isso é coisa do Diabo! Satanás está tentando colocar coisas em sua cabeça! ...


Revirando a mochila de Amadeu, Mariana encontrou um endereço no Pelourinho, citando horário e dias coincidentes com os atrasos do esposo. Determinada a dar um flagra no suposto traidor, a enciumada mulher, na primeira oportunidade, enfrentou os medos de andar pelas ruas agora lúgubres do "Centro Histórico" desassistido, abandonado pelo poder público.


Chegando em um mal cuidado Casarão, subiu ao primeiro andar e olhando pela fresta de uma porta entreaberta, viu seu amado deitado de bruços, um outro marmanjo atracado sobre ele e ambos ofegantes, suando em profusão.


Desarvorada, a criatura invadiu o recinto:

- Como é que você faz isso comigo?! Como é que você larga sua mulher grávida em casa e fica aqui assim?!


- Me perdoe amor! Releve esse meu deslize! Não fiz por mal. É como está na Bíblia: "O espírito quer. Mas a carne é fraca".


- Mas você sabe que isso para mim é uma abominação, uma violência! Você prometeu! Jurou que tinha largado essa porcaria de Jiu-jítsu!!!



Postado aqui em 12 de outubro de 2011.



   
 
 

20 comentários:

  1. Boa tare, Antônio. Onde foi para o comentário que eu fiz de todo o meu coração na sua postagem "TALITA"?
    Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  2. acontece...
    todo mundo passa por isso alguma vez na vida...

    ResponderExcluir
  3. Então... minha imagem mental foi longe... o meu desfecho foi bem outro! Você sobre conduzir o leitor! Ótimo! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  4. Olá Patricia!

    Já está publicado e devidamente comentado. Só acessei agora a pouco. Essa postagem já estava programada desde ontem.

    Um abração e obrigado pelo belo comentário em: Talita.

    ResponderExcluir
  5. Olá Borboletas no Estômago!

    Pode acontecer. Realidade e ficção, nem sempre dá para diferenciar.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Célia!

    Gosto muito de mexer com a imaginação do leitor e tento dar um desfecho que surpreenda.

    Um abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui reler, Antonio! E, pasme... novamente minha imaginação já dava tratos à bola... quando você vem com tal desfecho! Ri muito, sabe?!
      Abraço.

      Excluir
  7. Boa tarde Antonio!

    Obrigado pela visita e comentário.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  8. Olá querido António,

    Como vai?
    Ora, eu que fiquei pensando, que Amadeu tinha uma Maria, uma Ana, qualquer nome... mas um...
    Minha mente não consegue, ainda, entender esse negócio.
    Bom feriado.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir
  9. Olá Antonio!

    Eu já estava pensando,... "coitadinha"!
    Muito legal! Parabéns!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá Luz!

    Dos males o menor. Para sorte dela, era só gosto por uma arte marcial. Se ele fosse chegado num barbado é que a coisa ia ficar feia mesmo.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  11. Ol áJossara!

    Você e a maioria, primeiro pensouQUE ERA UMA AMANTE, DEPOIS imaginou QUE O RAPAZ "PURPURINOU". Que coisa feia... Rs, rs, rs...

    Um abração.

    ResponderExcluir
  12. AFF...Risos!!!
    E eu aqui pensando o pior...kkkk...o coitado estava lá, brincando com o colega!!!

    Muita Luz!!

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, Antônio. Maravilhoso o conto, divino!
    Você deixou um suspense puro. Eu pensei logo em outra mulher, depois que ele era gay, e você maravilhosamente reservou uma bela e engraçada surpresa.Parabéns! Excelente!

    O meu aniversário é 06 de maio. Você faz aniversário um dia antes da minha sobrinha mais nova.

    OBS:Desculpe a pergunta.Você não publicou o comentário extenso pelo fato de eu ter perguntado, certo?

    Um beijo grande, e fique com Deus!
    Tenha um dia lindo, de paz!

    ResponderExcluir
  14. Olá,
    É hilário,rsrsrs,sensacional,fes-me ir até o fim,anciosa para saber o que estava acontecendo, e ainda bem que a moçoila não ganhou aquelês simpáticos galhinhos.
    Amigo você é show,parabens e obrigado por visitar meu cantinho e segui-lo.
    Fica em paz.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  15. Cara amiga Patricia. Todo mundo pensou mal do rapaz.

    Publiquei e respondi o referido comentário assim que o li ontem à tarde.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  16. Olá Fênix27!

    Minha intensão foi a de mexer com a imaginação do leitor e depois mostrar quão enganosas podem ser as aparências.

    Um abração.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...