Um jardim. Mas... - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Clique na animação abaixo, para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.


Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

 

                    Um jardim. Mas...              

     

... empáfia de quem se perde de tanto “se achar”, delirando, imaginando-se o último acarajé do tabuleiro, a senha do Wi-Fi, o derradeiro biscoito do pacote… Vai minando afetos, superlativando antipatias, fortalecendo daninhos...


Antonio Pereira Apon.


Rosa meditativa - Salvador Dali.


Uma das coisas mais belas. Um jardim florido, multicolorido; bem cuidado, arrumado com esmero e bom gosto. A harmonia do toque humano, artístico, consorciado com o espetáculo da natureza. Mas, para tal resultado, é preciso: Estudo, trabalho, arte, dedicação, talento, vontade, obstinação, perseverança, zelo… Sem isso, as ervas daninhas e outras pragas, ameaçam a existência do horto, anulando expectativas, nulificando desejos, inviabilizando possibilidades…


No possível jardim de cada coração humano, a realidade não é diversa. Sem que se cuide para que floresçam as virtudes de todo o bem, a paisagem degringola ante a ação deletéria das forças contrárias. Assim, vemos pessoas maravilhosas; capazes, bondosas, talentosas, honestas, humanas… Perderem, destruírem seu jardim íntimo, sob a ação pestilenta do orgulho, da vaidade e do ego. Assistimos patologias comportamentais, devastarem belíssimas florações existenciais: O preconceito, a intolerância, o “amor próprio” exacerbado, uma “aptidão” especial ao melindre; a empáfia de quem se perde de tanto “se achar”, delirando, imaginando-se o último acarajé do tabuleiro, a senha do Wi-Fi, o derradeiro biscoito do pacote… Vai minando afetos, superlativando antipatias, fortalecendo daninhos vícios, manias, excentricidades… que negligenciadas e incontidas, transformam o que tende ao belo num tenebroso terreno baldio, perigoso espinheiro, insalubre lixão, depósito de reclamações, lamúrias, queixumes e desilusões.


Precisamos cuidar das flores externas e internas. E como incansáveis jardineiros: Extirpar as brotações danosas, combater todo tipo de praga, lidar… A vida é bela, é um jardim. Mas...


Rosa amarela.



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

6 comentários:

  1. "...A vida é bela, é um jardim Mas..."
    Tudo depende do "mas", sim, ver com os olhos da alma é a melhor forma de acertar, sentir e acreditar nos próprios sentimentos com honestidade, ah, isso é difícil, sim é, mas não impossível!
    Amei ler como sempre, aqui aprendo mais um pouco e tudo o que é bom é para se colocar em prática, até as críticas negativas têm como nos ensinar!
    Abraços apertados amigo Antonio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viver é aprender, crescer, transformar para o melhor, não se acomodar; é cultivar virtudes, combatendo tudo que for daninho.

      Um abraço e bom fim de semana.

      Excluir
  2. Que lindo texto e trilha sonora, Antônio! Motivadores para novas ações e conceituações da essência da vida! Parabéns!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida pede jardineiros proativos no cultivo do jardim do existir. Fazer florir o nosso melhor sempre.

      Um abraço e bom fim de semana.

      Excluir
  3. Olá, António!

    Um texto, dessa vez em prosa, mas que me cheira a flores, rosas, mais propriamente. LINDO E BEM DIRECIONADO!

    Tens toda a razão. Precisamos tratar dos jardins, ou seja, dos públicos e dos privados com mui esmero e atenção, para que nos passeemos com à-vontade, prazer, felicidade e segurança. Teremos, desse jeito, um mundo multicolor.

    Abracinho, menino e bom domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É preciso cuidar dos jardins para que a vida possa florir.

      Um abraço. Bom restinho de final de semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...