Manifesto sobre o que envergonha o Brasil - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

domingo, 23 de junho de 2013

 

                    Manifesto sobre o que envergonha o Brasil              

     

... Tal qual os vândalos e violentos das ruas, quem abusa do mandato político para “depredar” os interesses do povo, envergonha e emporcalha a imagem do Brasil...


Antonio Pereira Apon.


Bandeira do Brasil.


Obviamente vergonhosos e reprováveis os atos de vandalismo e toda violência protagonizada por uma minoria infiltrada nas belíssimas manifestações de cidadania do povo brasileiro que desperta para sua realidade, acordando para a necessidade de uma tomada de consciência ante tantos desmandos que afligem a nação.


Tal qual os vândalos e violentos das ruas, quem abusa do mandato político para “depredar” os interesses do povo, envergonha e emporcalha a imagem do Brasil. Com o agravante de que, os primeiros, entorpecidos pela barbárie, agem por instinto, ignorância e revolta, enquanto os mandatários do poder, atuam com método, lucida e ardilosa intenção de auferir lucros em detrimento de sua função pública. Uns e outros delinquem e merecem punição.


Tanto quanto a violência explicitada pelos brutos, é igualmente violência: A corrupção, a insegurança e a deseducação pública; a desassistência à saúde, a inflação, os factoides, o “pibinho”, os juros, a excessiva carga tributaria, a falta de mobilidade urbana, os negados da Copa, a subserviência pactuada com a FIFA, a impunidade, a legislação permissiva, os tantos mensalões e o toma lá da cá dos parlamentos, a promiscuidade das coligações por mais tempo de TV... E não há menos vandalismo na PEC 37, na “cura gay”, no maltrato aos aposentados, no fisiologismo, nas ruas e estradas esburacadas (algumas pedagiadas), na falta de infraestrutura, no caro “custo Brasil”, no populismo inconsequente e irresponsável, nos desserviços desregulados pelas “agencias reguladoras”, na lentidão da justiça, nas infinitas brechas da lei, nos três dias de trabalho(?) dos parlamentares...


Ufa!!! Quanta violência! Quanto vandalismo perpetrado contra o nosso povo! É isso que gritam as ruas, é esse o recado, o apelo de nossa gente cansada do velho “pão e circo”. Queremos um Brasil justo, digno, plural e verdadeiro, sem essa politicagem porca e subterrânea onde, em chegando ao poder, chafurdam esquerda e direita qual esterco do mesmo pasto, prostituindo qualquer ideologia e sonegando os direitos de uma sociedade que agora grita veemente: Basta! Chega! Parem com essa desvergonha!



   
 
 

10 comentários:

  1. Boa tarde amigo Antonio, bem verdade tudo isso exposto aqui nesse texto rico.
    Acredito que haverá, ou melhor, já há repercussão, os nossos governantes estão com receio de o que poderá acontecer 'lá fora" com nossa imagem já escancarada ao mundo!
    Torçamos para que tomem as devidas providências,pois o povo não vai parar, a força está na voz desse povo sofrido, aprenderão a ter educação, mesmo que a própria custa, pois do Estado ele jamais alcançará, pelo menos por enquanto!
    Abraços meu amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora não dá mais para esconderem o lixo sob o tapete, nem fingirem que não é com eles. O povo acordou e não está disposto a tolerar mais tanta politicagem e bandalheira. Um novo Brasil há de surgir desse brado cidadão.

      Excluir
  2. Olá meu caro Antônio,

    Não sei te dizer o que senti quando vi a mobilização dar seus primeiros passos. Sou da geração que pintou a cara e foi para as ruas nas "Diretas já!".
    Ver a nação inteira acordar para uma atitude faz-nos acreditar que ainda é possível!

    Eu ainda sonho, ainda acredito e quero ver esse país mudar. Que a atitude de cada, transforme o gigante que acaba de acordar!

    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos o direito de sonhar e realizar um Brasil melhor. Democracia é o governo do povo e quem está contra o povo, terá que mudar seus conceitos. Um grito ecoa das ruas por um país melhor, onde não há lugar para aventureiros e sua politicagem.

      Obrigado. Um abração.

      Excluir
  3. Aplausos pelo seu posicionamento, Antonio! Residi em SP como estudante e depois como professora, nas décadas de 60 a 80... Fui, por diversas vezes, às ruas com o meu povo e, hoje APOIO totalmente esse grito entalado em todas as gargantas... E, os que se revestiram do poder dizem 'que não estão entendendo'... Oras, qualquer analfabeto em nosso país, muitos bem mais sábios, via intuição, entenderam e muito bem o verbal e o extraverbal de um povo sofrido, sacaneado que se cansou de ver 'tudo para alguns' e 'nada para muitos'... BASTA MESMO!
    Grande abraço da Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se fazer de desentendido é um velho estratagema dos politiqueiros. Só que as coisas mudaram, o povo não vai "aceitar sossegado. Qualquer sacanagem ser coisa normal".

      Obrigado. Um abração.

      Excluir
  4. Oi, Apon! Acho importante que o povo se manifeste para que não fique mesmo a impressão de que todos "foram felizes para sempre". Acho que a manifestação ganha mais força quando é pacífica, pois quem tem razão não precisa brigar, precisa sim é mostrar o descontentamento. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vandalismo só serve a quem quer um pretexto para desqualificar o movimento cidadão por um Brasil melhor, é na paz que vamos mostrar onde está a real violência que tanto maltrata e envergonha esse país.

      Um abração.

      Excluir
  5. Gostei de ler Apon (não dá para tapar o sol com a peneira). Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O povo acordou e descobriu que a realidade não cabe num país de fantasia. A parca porção de "pão e circo" já não farta a sede e fome de um Brasil melhor.

      Um abração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...