Insegurança. Quem cala, quem fala... - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

segunda-feira, 19 de março de 2018

 

                    Insegurança. Quem cala, quem fala...              

     

... Armados desalmados, desamados cidadãos. Na republiqueta das bananas e dos bananas. Tem bandido querendo voto! Pra mentir em causa própria, pra legislar em causa imprópria, impropriedades perpetrar. Indefesa sociedade, leviana autoridade; “audiência de custódia”, defeso da marginalidade. Solta o bandido, afronta o cidadão...


Antonio Pereira Apon.


O homem ferido - Gustave Courbet.


Morre quem cala,

morre quem fala;

na faca ou na bala,

numa vala qualquer.

Qualquer sobrevivente,

um qualquer subvivente!

A polícia,

a milícia;

a malícia, dentro ou fora da lei.

O azar aliciando a sorte,

corrupção cumpliciando a morte.

Transitar do tráfico,

ratificar do trágico;

na mira,

na fila de mais um funeral.

Anormalidade tão normal:

No palácio, no parlamento,

no lamento sem eco;

no discurso, pronunciamento,

na sina de mais um badameco.

Insegurança,

criminosa sanha,

peçonha!

Armados desalmados,

desamados cidadãos.

Na republiqueta das bananas e dos bananas.

Tem bandido querendo voto!

Pra mentir em causa própria,

pra legislar em causa imprópria,

impropriedades perpetrar.

Indefesa sociedade,

leviana autoridade;

“audiência de custódia”,

defeso da marginalidade.

Solta o bandido,

afronta o cidadão:

Trancado, acuado,

maltratado e descuidado.

Sem direitos humanos,

sem habeas corpus,

sem advogado,

nem alvará de soltura.

Cativo em sua liberdade,

democrática imoralidade,

criminalidade!

Morre quem cala,

morre quem fala...




Mas, de onde vem esses tantos males do Brasil?


   
 
 

14 comentários:

  1. Respostas
    1. Pena que o desamor e o descaso, entre outras tantas mazelas, infelicitem o Brasil.

      Um abraço.

      Excluir
  2. Olá Antonio, mais que um poema , um grito oportuno de uma realidade onde o cidadão de bem é obrigado a ficar trancafiado e o bandido na rua a mandar e desmandar,Que país é esse? Gostei da sua manifestação.
    Abraço de paz, deixo!


    http://blogandocoletivamente.blogspot.com.br

    http://contosdadina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um país desgovernado, bandido, desavergonhado, canalha, nada sério... ...

      Um abraço.

      Excluir
  3. olá, tonico...

    uma revolta, que não consegues calar. isso se refere tudo ao teu país...
    estive vendo o vídeo, mas não entendi a mensagem.

    abraço e boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aqui já virou um arremedo de país. A mensagem do vídeo, é uma paródia denunciando a bandalheira da corrupção institucionalizada no Brasil. Se baseia numa antiga e bela propaganda de lápis de cor.

      Veja a versão original:

      https://www.youtube.com/watch?v=LP55uXmyN7A

      A segunda versão:

      https://www.youtube.com/watch?v=ZHjoakcuKfs

      Um abraço de um brasileiro triste com o seu país.

      Excluir
    2. obrigada, tonico.

      agora, julgo que entendi. numa folha qualquer nós desenhamos beleza, simplicidade, ou seja, aquilo que nos faz feliz. basta imaginação e boa vontade. e qdo ela não existe, sai tudo borrado. é assim k está teu país.

      um abracinho de um portuguesa, que vive num país calmo e seguro. há casos pontuais de agressividade, nada mais, mas deixa eu falar pra você que desde que a esquerdalha unida está no poder, Portugal tem sido vítima de tantos incidentes naturais - incêndios terríveis, que quase tudo devastaram e onde morreu mta gente, depois a seca, surto de doenças, enfim, todos os dias há um acontecimento triste. hoje, foi um comboio, k descarrilhou, mas não houve sequer feridos. algo está acontecendo por aqui. o tempo o dirá.

      Excluir
    3. É por aí. E cá um só borrão de bandalheiras, canalhices desse próstibulo da corrupção.

      Esse povo vem com esse discurso de engana besta, faz um monte de porcaria populista, depois ficam posando de santos, de dedo em riste apontando os erros dos outros. Aqui, esses rebanho de safados, ficou 13 anos no poder, agora jogam todas as culpas da crise em cima do outro safado, que eles mesmos colocaram na linha sucessória, que tem pouco mais de 2 anos de desgoverno. Até aqui, temos comprovado que os políticos, tanto da direita como da esquerda, só atuam em suas próprias causas impróprias. Mas os fanáticos, devotos esquerdofrênicos, encontram santidade na vagabundalha.

      Triste Brasil.

      Um abraço lamentoso.

      Excluir
  4. Olá, António
    O que dizer do seu poema?
    Você tem uma maneira de escrever que me encanta, independentemente do tema.
    Aqui eu vejo um grito de revolta perante tanta iniquidade, ao mesmo tempo que uma chamada de atenção para as perversidades que a toda a hora se cometem.
    Assim vai o mundo. Portugal, um país de "brandos costumes", está sendo assolado por uma onda de violência não vista até há relativamente pouco tempo. Começa a ser preocupante...

    Votos de uma boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O humano convulsiona em seus desatinos, resta-nos o grito para muitos sem eco do nosso versar. Triste humanidade, deliberadamente sem rumo.

      Que Deus seja por nós.

      Um abraço.

      Excluir
  5. Muito obrigada mais uma vez pela visita caro Antonio. Seu texto é bastante pertinente e traz uma dura realidade, uma revolta que nos assola e que atinge a toda a sociedade. Até onde isto tudo vai parar?
    Um forte abraço para você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Triste Brasil, corrupto, inseguro, desgovernado, aviltado... Isso tudo vai parar quando o povo acordar e nas urnas, desratizar o país da esquerda à direita, passando pelo centro. Fora Temer, Lula, Aécio, Dilma... Fora a toda a bandalha!

      Um abraço.

      Excluir
  6. Um poema que expressa a realidade injusta na qual o Brasil está inserido e nós, nesse contexto, aprisionados, cativos, de mãos atadas e reféns de bandidos que já sentem-se vitoriosos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Triste essa realidade. Até quando?

      Um abraço e bom fim de semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...