Artifício



Pessoas apressadas e apreçadas. Artificialmente programadas para ter e ter cada vez mais. Ser? ...


Antonio Pereira Apon.


Dinheiro espalhado.


Fugaz poder

faz o homem se perder,

mercar a vida

furtar do sonho o prazer

no artifício do parecer,

o nada ser

da essência perdida,

da alma vendida

na sanha do mero ter.

escravo do passageiro,

do temporal;

homens de artifício,

existências artificiais

programadas para ter,

ter cada vez mais.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”