O ébrio



... etílica sina de quem subvive em tragada ilusão. Dignidade perdida, alma ferida; corpo doente, queda indolente no vazio do chão...


Antonio Pereira Apon.


Cerveja.


Vestindo mais um gole

despe a razão,

afoga a vida

no copo frio

do frio balcão,

etílica sina

de quem subvive

em tragada ilusão.

Dignidade perdida,

alma ferida;

corpo doente,

queda indolente

no vazio do chão.

Palavras rotas,

versos tortos

de uma antipoesia

que a boemia riscou.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Olá !!!

    Lindo seu poema, intenso e verdadeiro, descreveu com beleza este momento triste, e isso só os Poetas conseguem :)
    Parabéns !!!
    Grande abraço e boa semana !!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Samanta.
    Infelizmente, tem gente que parece esqueecer que "existe vida além do copo".

    Um abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”