O grande amor



... se foi de alegria ou tristeza, ventura ou desventura; se perdeu-se nas veredas da vida, se enveredou pelos descaminhos do destino...


Antonio Pereira Apon.



Vaso com rosas vermelhas.


Pode-se ter

diversos amores na vida,

mas um

é todo especial.

Faz vibrar a alma

ao simples toque da lembrança;

não é necessariamente o primeiro,

em geral

é interinamente o mais recente;

transcende ao tempo,

sobrevive à distância;

é o que não passa

mesmo tendo passado,

é chama que não se exaure,

silêncio que grita,

grito que não cala.

Não importa

se foi de alegria ou tristeza,

ventura ou desventura;

se perdeu-se

nas veredas da vida,

se enveredou

pelos descaminhos do destino.

O grande amor

é a indelével marca,

gravada no peito

de tantos amores.



(Postado aqui em 23 de dezembro de 2010).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Bom dia.

    Que todos tenhamos um dia de domingo bom. Com muito sol, paz e harmonia.
    Que o Criador, não esqueça jamais, das nossas lutas, mesmo aquelas individuais, e nos contemple com a sua piedade divina, e sobre tudo o seu perdão.
    Que a família continue sendo Sempre, o acolhimento de cada um de nós.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”