Trem da vida



... somos gestores de nosso existir, artífices na concepção do nosso desiderato; o tempo pode ser a mola propulsora que nos arremessa...


Antonio Pereira Apon.


Chuva, vapor e velocidade - O grande caminho de ferro do Oeste, pintura de J.M.W. Turner.


segue perseguindo seu destino de ser árvore fértil e frondosa.


Observa a pedra bruta, que sem se acovardar perante a dor da lapidação, se permite a preciosidade da joia rara.


O sol sem o menor receio rasga a mortalha da noite, com a convicção de quem acredita em sua missão de iluminar, recriando um dia novo a cada novo dia.


O rio circunda as pedras que lhe obstam o curso, ou salta por sobre elas com a certeza do caminho a ser seguido para alcançar seu objetivo, encontrar o mar.


Mais que a semente, a pedra, o sol e o rio, somos gestores de nosso existir, artífices na concepção do nosso desiderato; o tempo pode ser a mola propulsora que nos arremessa para o futuro que ora construímos, ou pode ser a pá para sepultar nossas possibilidades na cova estéril do passado. Hoje é o dia, a hora é agora, esse é o momento; Protelar soluções, é inflacionar problemas na economia da vida exigindo um dispêndio maior de recursos para sanar os males advindos da estagnação da espera.


Felicidade não se improvisa, nem cai do céu como dádiva divina, por vezes exige esforço, luta árdua e sofrida, não raramente os sorrisos são fruto de abundantes e doloridas lágrimas, que lavam a alma dos miasmas do pretérito para que a felicidade possa florescer sem nódoas. No campo da evolução não existe improviso nem toque de mágica, mas trabalho de transformação para o seu melhor, o impossível é aquilo que você não tomou a efetiva resolução de fazer, o difícil é um simples rótulo que o medo coloca naquilo que ainda não tivemos a coragem de realizar.


Acorda, o trem da vida não tarda na estação da espera, segue célere sem detença, levando aqueles que deixaram para trás o que passou, aproveitando os trilhos do hoje, para alcançar a estação do amanhã.



(Texto de 2002, postado aqui em 25 de abril de 2009).



Gostou? Você também vai gostar de ler: Trem do tempo. Estação da ilusão


Sol sorrindo afastando as nuvens.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. "Somos gestores do nosso existir" - vejo que aqui, Antonio, está uma acertada expressão para o encontro da nossa felicidade. Construamo-la sem jamais outorgar esse direito a outrém. Embarcar no trem da vida, seguir o destino até onde eu acho por bem seguir, é direito de todos - afinal somos detentores do nosso livre arbítrio.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Antonio,
    Depende de nós, viver uma boa vida ou ao contrário!
    Felicidade é um estado de estar bem no mundo. No "nosso mundo"!
    Felicidades para você!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felicidade não se improvisa, não se arranja num canto qualquer. É uma conquista, uma construção interior.

      Obrigado. Um abração.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Meio ambiente, ávida vida

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!

Mangue, bordel, Brasil