Educação pra que? criar cobra pra me morder?



... Aqui eu finjo que pago, as iscola faz de conta que funciona, o professor finge que insina, os minino finge que aprende e tá tudo bem...


Antonio Pereira Apon.


Professora dando aula.


Um próspero fazendeiro foi eleito prefeito de uma cidadezinha lá nos cafundós da Bahia. Nepotismo à parte, nomeou sua filha como Secretária de Educação do município.


Diferente do pai, ela era uma pessoa séria e compromissada. Diante do quadro caótico que encontrou, foi conversar com o Alcaide:


- Meu pai as escolas estão uma lástima, falta tudo e mais um pouco. Ainda temos professores leigos, tetos ameaçando cair, esgoto no meio de sala de aula, bibliotecas defasadas. Temos que mudar isso para pudermos dar uma educação com o mínimo de qualidade.


- Minha filha, basta que esse povo aprenda a ler e fazer conta. Insiná muito pra essa gente não dá certo, vão começar a cobrá direito, querer milhô condição... Aqui eu finjo que pago, as iscola faz de conta que funciona, o professor finge que insina, os minino finge que aprende e tá tudo bem.


- Que absurdo papai!


- Ocê acha qui se essa gentalha tivesse instrução, ia me eleger prefeito? E eu ainda quero chegar lá na presidênça do país. Dá bom istudo pra pobralhada, é o mesmo que criá cobra pra mi mordê. Eles gnorante, aceita tudo, não reclama nada e eu tapio com uns agradinho vez in quando.


- Mas eu estudei sempre nas melhores escolas e universidades particulares... Eu queria dar um pouco de dignidade para meus conterrâneos. Mas desse jeito eles nunca vão melhorar de vida...


- Filhinha esqueça dessas coisa que ocê aprendeu na cidade grande. Iscola particulá forma quem manda, iscola pública é pra tapiá quem vai obedecê.


A secretária entregou o cargo e se mudou para a capital. O resto continuou como dantes.



Pena que a metástase da deseducação e da politicagem esteja matando a cidadania de tantos brasileiros. Pense nisso na hora de votar. Procure saber como anda o ensino público na sua cidade, no seu estado.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Parabéns...Adorei a mensagem verdadeira...
    Será que mudou alguma coisa?
    Olha, em muitos lugares isso acontece ainda....é muito triste, mas fazer o que?
    Mas nessa hora devemos lembrar que podemos mudar sim....sempre tera uma saída, as mentes vão se abrindo..
    abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Neusa!

    Esse texto retrata a surreal realidade da nossa deseducação, a farsa das “políticas educacionais”, a grande mentira do “ensino público”. Mas as coisas podem mudar, se e quando a sociedade acordar para a importância da educação e por meio do voto cidadão, desratizar a furna política, banindo os “vampiros” do ensino que apostam no “emburrecimento” nacional, para perpetuarem seus “podres poderes”. Mantendo as escolas, no “projeto ribanceira” em que foram jogadas.

    Obrigado por ler e comentar.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  3. Olá Antonio!
    Uma forma de mostrar o descuido com que são tratadas as nossas bases: educação, habitação e saúde... Ignorância certamente não falta, tanto para quem assume o poder, como para quem elege. É preciso, sim, muita educação e discernimento para sabermos diferenciar a cobra que criamos do seu próprio veneno, que tanto pode matar como curar!
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  4. Oi Jackie!

    O povo brasileiro precisa acordar e se respeitar mais.

    Um abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"

Ganhadores. O que faz a diferença