O sonho e o tempo



... natimortas existências, sem tempo pros sonhos, sem sonhos pro tempo. Onírico vazio...


Antonio Pereira Apon.


Mão com flor amarela.


Quando não ousamos realizar,

sonhar a realidade,

idealizar...

As possibilidades morrem sem nascer.

Esvaem-se como o tempo perdido,

a ciranda insana dos ponteiros do relógio,

que caminham para lugar algum.

Vagam por entre as horas,

autômatos, displicentes...

Sem sonhos a realizar,

sem realidade para sonhar...

Seguem num vicioso círculo,

devorando momentos vadios,

contando o tempo, sem o tempo viver.

Zumbis sem sonhos,

natimortas existências,

sem tempo pros sonhos,

sem sonhos pro tempo.

Onírico vazio,

deserto de esperanças.



(Postado aqui em 04 de agosto de 2010).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Exite um tempo de sonhar e um tempo para simplesmente se viver o vazio... Uma triste realidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo tem seu tempo, sua necessidade e por que. Não existe acaso...

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Aprendizado. Reflexões de aniversário

Tempo sem pressa, sem preço

Com a palavra, a palavra!