Ver Deus (Com mp3)



... na fraternidade, no trabalho... Nos momentos felizes que me orvalham a alma e nos tristes que me ensinam a valorizar a felicidade, crer nos sonhos, ter fé na vida...


Ver Deus (mp3)
Antonio Pereira Apon.


Entardecer na praia.


Vejo Deus:

Na poesia luminosa de cada amanhecer,

no sol

que se aninha no horizonte

fazendo o dia adormecer;

nas flores da primavera,

nos frutos do outono...

em toda natureza

vejo Deus!

Em mim, em você,

em todas as pessoas;

em nossa capacidade de criar,

amar...

aprender com os erros

construindo acertos

No perdão eu vejo Deus!

na fraternidade,

no trabalho...

nos momentos felizes

que me orvalham a alma

e nos tristes

que me ensinam

a valorizar a felicidade,

crer nos sonhos,

ter fé na vida,

descrer nas quimeras...

assim eu vejo Deus:

sem religiões,

sem ideologias,

sem cor nem classe social.

Simplesmente

o pai nosso

que está em toda parte.



(Postado aqui em 25 de setembro de 2010).



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Depois de postar esse meu poema, recebi um e-mail com o texto abaixo, que me parece um oportuno complemento.

    ***

    Eu ouvi Deus...

    Por Paulo Roberto Gaefke

    Levantei chateado já pensando nos inúmeros problemas que eu tinha para resolver naquele dia, um gosto amargo na boca, dores pelo corpo e uma angústia esquisita me invadia a alma e dizia que eu não havia dormido bem. Eu parecia uma barata tonta, não tinha idéia de "por onde começar".
    Quando sai para a rua fui surpreendido por um dia maravilhoso, um sol "gostoso" iluminava um céu azul quase sem nuvens, e eu tive a impressão de que Deus queria falar comigo.

    Continuei caminhando e nas árvores da praça perto de casa, dezenas de passarinhos cantavam alegres e disputavam alimentos com uma barulheira festiva, e senti que Deus queria falar comigo.

    Olhei para as flores daquele Jardim e me lembrei de Jesus falando aos antigos: "(LC 12:27)

    "Olhai os lírios no campo, como eles crescem; não trabalham, nem fiam; e digo-vos que nem ainda Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles.", e mais uma vez senti que Deus queria falar comigo.

    Angustiado com meus problemas que pareciam ser os mesmos sempre, parecia que eu nunca iria sair daquele círculo de aflições, quando percebi que minhas pernas estavam me levando por todos os lugares que eu queria, mesmo sem eu ordenar nada, que meus braços eram fortes e eu poderia utilizar essa força para o trabalho, e que meu cérebro possuía ainda um raciocínio muito rápido, e mais uma vez percebi que Deus queria falar comigo.

    Mais a frente, vi um menino de no máximo 3 anos, com os bracinhos esticados e nas pontas dos pés pulando para alcançar uma maçã no alto de uma árvore. Mesmo com todo o seu esforço, empenho e alegria, eu percebi que ele nunca iria conseguir alcançar aquela maçã, e nesse momento eu ouvi Deus me falar que nós somos iguais aquela criança, na maioria dos nossos dias, colocamos nossa felicidade, nossos melhores sonhos, em lugares tão altos como aquela maçã estava para o menino, perseguimos frutos que não estão ao nosso alcance, e desprezamos o belo, as coisas boas que a vida nos oferece e nem damos a devida atenção.
    Percebi então, quanto tempo eu estava perdendo amando quem não me amava, trabalhando onde não me sentia feliz, fazendo coisas somente para agradar quem nunca mereceu, desejando coisas que eu nem sabia se me fariam felizes, buscando um Deus da guerra para vencer meus inimigos, quando Deus é só amor. Então compreendi que a felicidade está onde nós estamos, onde está o nosso coração e nesse dia, finalmente, eu ouvi Deus.

    Paulo Roberto Gaefke

    ResponderExcluir
  2. Que lindo Antonio, emocionante teu poema, bjos e obrigada pelo carinho, um lindo final de semana para vc.

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Venho visitá-lo, agradecer sua visita e emocionar-me com seus escritos...
    Deus está e, todos os lugares, principalmente na simplicidade...
    Belo post
    Um abraço poético!!!

    ResponderExcluir
  4. Querido amigo Antonio,

    Ai , ai , ai..Fiquei bastante emocionada. Assim, como no seu belo poema, sinto Deus.A leitura do seu poema me deu uma felicidade! O texto de Paulo Roberto Gaefke é maravilhoso e realmente veio complementar . Muito obrigada amigo!


    Beijos com carinho e abração! Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Antonio que poema mais lindo e o texto do Roberto maravilhoso também.
    Deus está em toda parte, em cada detalhe e dentro de nós também, basta que estejamos de coração aberto e o veremos em tudo.
    Tem dias que estou bem, noutros nem tanto, mas a cada dia consigo sentir a maravilha que é estar viva e poder vivenciar cada momento, aprendendo, compartilhando e acima de tudo amando.
    Que seu fim de semana seja de paz e harmonia, beijos em teu coração!

    ResponderExcluir
  6. Olá estimado António,

    Teu poema é muito belo e subtil.
    Deus tudo criou, e portanto, a beleza existe em toda a parte.
    A história, que recebeste está magnífica e mostra bem, como, mesmo nas coisas mais simples, Deus está presente.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir
  7. Lindos versos!Como dizem os orientais NamastÊ o Deus que habita em mim saúda o Deus que habita em ti.Deus está em todos os lugares,em todos os momentos para senti-lo basta que estejamos atentos.
    Beijossss

    ResponderExcluir
  8. OI APON!
    QUE COISA LINDA, TEUS POEMAS DECLAMADOS POR TI,FIQUEI TE OUVINDO E LENDO O "VER DEUS" E AMEI,MUITO LINDO MESMO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Bonito poema cheo de amor por Deus.
    Para recapacitar e prestar máis atención a todo o que nos rodea, e sentir...
    un abrazo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"