Não sou dono de mim



... Esmaece a esperança, como retinas que desertam da luz. Eu que sempre quis contentes meus versos, vivo esse descontente versar...


Antonio Pereira Apon.


Lágrimas nos olhos.


Já não sou dono de mim,

de mim se adonou o destino:

Aceitar o que não aceito,

concordar com o que não concordo,

brincar de ser contente,

deixar a vida me levar...

Cativo num silêncio devorador de sonhos,

me embriago de lembranças,

quimeras,

reminiscências do passado...

Sorri falsa a alegria,

Vertigem da alma a chorar.

Vem comigo valsar a Saudade,

vagar entre memórias,

que não pôde o tempo apagar.

Tempo que se esvai na pressa dos dias,

roubando a poesia,

sonegando inspiração.

Esmaece a esperança,

como retinas que desertam da luz.

Eu que sempre quis contentes meus versos,

vivo esse descontente versar.

Não,

não sou dono de mim...


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Oi, Antônio!

    Muitas vezes temos a sensação de que não comandamos nosso próprio destino.
    O que juramos nunca mais fazermos, acabamos repetindo, emoções que pensávamos não vivenciar nunca mais, acontecem de novo...
    Vivamos e deixamos estar, procurando melhorar o que há de melhor em nós.
    Se houver mesmo destino, que ele venha, mas que tenhamos consciência que fizemos a nossa parte!

    Belo poema!
    Abraços,
    Mary:)

    ResponderExcluir
  2. Por mais que tentemos nunca seremos absolutamente donos de nós...
    Esta é uma tentativa vã - a de se desejar não pertencer as demais estações do MUNDO...
    Abraços


    O poema é muito belo!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá Mary.

    O destino é uma “obra aberta” na qual, num instante somos autores, noutro protagonistas e em alguns momentos. Meros coadjuvantes.

    Obrigado.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  4. Oi Malu.

    É verdade. Não somos donos de nada, nem mesmo de nós próprios. Somos usufrutuários da oportunidade do viver.

    Obrigado.

    Um abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"

Ganhadores. O que faz a diferença