O preço da felicidade - A arte da vida. Apon HP
Bom estar com você!


Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

O preço da felicidade

Publicado em quarta-feira, 18 de janeiro de 2012



... sempre querer mais do que precisa, alimenta o consumismo, essa "máquina" devoradora de homens...


Antonio Pereira Apon.


Cofre. Composição de Antonio Pereira Apon.


 

Já reparou, quantas funções do seu aparelho de TV nunca foram usadas e você nem sabe direito para que servem? E o DVD? O celular?... Para que serve um automóvel? Para nos transportar com conforto e segurança? Ou para servir de vitrine à nossa vaidade?... A velha insensatez humana, de sempre querer mais do que precisa, alimenta o consumismo, essa "máquina" devoradora de homens.


Queremos ter, mas quando temos, queremos ter mais e sem que percebamos, hipnotizados pela propaganda, perseguimos necessidades desnecessárias, imperativos de artifício, que nos tornam escravos de um círculo vicioso, onde deixamos de ser proprietários e passamos a ser propriedades das coisas, deixamos de utilizar o dinheiro e nos tornamos seus dóceis servos.


Quantos constroem uma casa na praia ou no campo, e pouco aproveitam, por estarem sempre ocupados? E aquela sala de vídeo com som de cinema e tela de altíssima resolução, que quase não é utilizada, por falta de tempo?... Muitas pessoas "se matam de trabalhar", para acumular bens, e morrem infelizes, sem usufruir deles. Esquecem que o trabalho é um meio de vida e uma das razões de viver, é buscar a felicidade... Ser feliz, não pareceria ser um sonho distante, se recusássemos a conta superfaturada de nossas ambições desmedidas, os juros do supérfluo e da ostentação, o imposto de nossas ilusões...



(Postado aqui em 05 de agosto de 2007).



8 comentários:

  1. Olá Antonio!
    Mais uma belíssima reflexão!
    É verdade... quantas pessoas acumulam fortunas para terem o passaporte da felicidade, mas acabam se esquecendo da meta inicial e acabam se tornando escravas da própria ambição.
    As coisas simples, muitas vezes nem exigem a compra de ingresso...elas fazem parte de nossa vida, porém poucos conseguem perceber isso.
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  2. Oi Jackie.

    Muitos esquecem do SER e apostam no TER para preencher seus vazios. Triste ilusão. Temos o exemplo dos políticos, já com o "pé na cova" e ainda assim "não largam o osso".

    Um abração.

    ResponderExcluir
  3. Olá estimado António,

    A Felicidade é feita de pequenas coisas, é uma frase comum, mas muito verdadeira.
    Agradeço as blogueiras, que tem encaminhado para o meu espaço.

    Abrações de luz.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde amigo!
    Ótimo texto e uma boa reflexão!
    Precisamos repensar nossos valores.
    Abraços! Uma tarde abençoada e linda pra ti.

    ResponderExcluir
  5. Eu admiro as coisas simples. Mas, confesso que gosto de tecnologia.
    Felicidades

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Zé!

      Também gosto muito de tecnologia. A questão é dar às coisas o valor e a importância devidas.

      Um abração.

      Excluir
  6. Olá, Antonio! Mestre em ensinamentos profundos! Lições de vida a cada post que leio em seu blog! O cuidar espiritual deveria sobrepor-se ao material. Meu interior provido de bens espirituais, descartaria com tranquilidade todo o consumismo desenfreado da sociedade onde o ter vale mais que o ser. Poucos pensam e agem dessa maneira! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  7. Querido amigo,


    Sempre achei ( acho que nasci com esta índole) de saber ser feliz com a simplicidade. À medida que vou envelhecendo estou indo mais fundo neste propósito e com mais condições desta liberdade ligada a minha essência. Alguns papéis sociais desempenhados por ser necessários, já são dispensáveis e isto é maravilhoso. As pessoas sofrem por desejarem e uma vez satisfeitos em seus desejos e alcançados seus objetivos materialistas tudo tornar-se descartável e virão outros e mais outros. Um círculo vicioso e destrutivo. Todo o materialismo é um círculo vicioso e destrutivo. Como você bem disse somos consumidos pelos bens de consumo. Não uso celular, DVD e ainda costumo pagar " mico" pois qualquer carro que estiver na minha frente entro achando que é meu ( não sei nem marca de carros hahahahah). Mas não sou contra para quem gosta e aprecia, tem prazer e usa. Com consciência e controle. Claro que vaidade , prazer de ter e consumir existe no meu lar. Mas por ser e agir desde sempre assim e meu marido também não chega a ser tão nocivo e é algo até sob controle. O que deixo claro é que estes desejos após a euforia logo cai pela frustração de desejar as novidades mais modernas. Não concebo alguém se achar infeliz por não ter a possibilidade de ter ou continuar tendo acesso às novidades. Volto a dizer que isso é se deixar consumir pelo consumo. Nada mais terrível.


    Beijos com carinho

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.





Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..



Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM