O que é o amor (Poesia) - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

 

                    O que é o amor (Poesia)              

     

... amor não tece algemas de angústia, nem plasma cadeias de depressão. Se você sofre e julga ser por amor, é por que o desamor...


Antonio Pereira Apon.


Choro.


Amor não se impõe,

se propõe;

ele não existe no monólogo

de um discurso sem eco,

é singular diálogo de corações.

Não se sofre por amor

sofre-se por desamor:

o desamor que trai e fere,

desrespeita e desdenha,

vira as costas e se vai...

o amor

não tece algemas de angústia,

nem plasma cadeias de depressão.

Se você sofre

e julga ser por amor,

é por que o desamor

desarmou o seu amor próprio.

O amor que se vai

na verdade nunca aqui esteve,

foi quimera fugaz

a voejar no jardim das paixões.

Aprende a se amar

e verá que o amor

dá asas ao coração.

Quando a tristeza te visitar

responde com o sorriso

de quem sabe o que é o amor;

não chores pelo que passou

nem detenha teus passos

na estagnação do que se foi,

segue na estrada do tempo

onde o amor só  se manifesta

para quem tem

a capacidade de entendê-lo.

Liberta seu coração

para que a vida possa sorrir,

o desamor partir,

e o amor

o verdadeiro amor possa existir.



(Postado aqui em 17 de outubro de 2010).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

5 comentários:

  1. "Singular diálogo de corazóns"-Gústame esta frase.
    O amor fainos libres e mellores persoas. Debemos de precticar máis o amor a todo o mundo.
    un abrazo.

    ResponderExcluir
  2. Querido António,


    Os relacionamentos amorosos podem ser complicados ou dolorosos. O amor no sentido lato nunca .


    Beijos com carinho

    ResponderExcluir
  3. Olá querido Antonio !

    Que lindíssima forma de descrever o amor verdadeiro !
    Concordo plenamente ! O amor não é dor, quando nos faz sofrer, é porque é, como disse, desamor... amor que se vai, na verdade nunca esteve...
    Amor não é egoísta e nem vaidoso, são almas que se unem só com bons propósitos, embora a vida traga desafios, o amor dá forças para seguir em frente e não nos desanima...
    E quando tivermos esta consciência, saberemos identificar um amor de verdade e como finalizou, deixar para trás o que era metade, para ser feliz com o amor completo :)

    Adorei como sempre !
    Um enorme abraço e um ótimo restinho de semana !!

    ResponderExcluir
  4. https://poemasdaminhalma.blogspot.com/
    Olá Caro António!
    Belíssimo poema, que só posso concordar pela forma como descreve o amor.
    O qual concordo plenamente, o amor não é dor nem faz sofrer... mas sim o desamor, egoísta e mau conselheiro.
    Gostei imenso, Parabéns!
    Um abraço e continuação de boa semana.
    Luisa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Percebe-se mal o amor, ele trás felicidade. O resto é o resto.

      Um abraço.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...