Preenchendo vazios - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

 

                    Preenchendo vazios              

     

... voa sem pouso certo. Galopa incerto o pensar. E a poesia que a tudo versa, ao poeta empresta, as asas da...
Antonio Pereira Apon.



Balões.

Repleto de vazios,

deserto na alma.

Requentados sonhos perdidos,

ruminar lembranças esquecidas...

Vão intento,

querer acordar antigas primaveras,

quando o inverno

já devora os restos outonais.

Devaneios.

Coisas de poeta!

O sentir,

voa sem pouso certo.

Galopa incerto o pensar.

E a poesia que a tudo versa,

ao poeta empresta,

as asas da inspiração.

Tece o tempo,

tece a vida.

Na arte de palavras tecer.

Sejam sorrisos ou dores

espinhos ou flores...,

Poetizar!

versejar até os vazios preencher.



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

8 comentários:

  1. Olá Atom,

    Poema belo e sofrido.
    A Primavera está chegando.

    Beijos de luz.

    ResponderExcluir
  2. Oi Luz!

    O poeta é um"garimpeiro" de emoções, um artesão das palavras. Transforma tudo em poesia, faz versos dos sorrisos e das dores.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, Antônio.Muito bela a sua poesia.Na minha opinião, o poeta tem de falar sobre tudo o que a sua alma e inspiração pedir!
    Não importa que a poesia seja feliz, ou triste, esses sentimentos fazem parte da vida igualmente.
    Não se vive eternamente infeliz ou feliz.É um equilíbrio.É claro, que devemos procurar ser mais felizes, sempre,mas sabendo que as tristezas existem e devem sim ser cantadas em belos tristes versos pelo poeta!
    Para mim, você fez isso muito bem!
    Parabéns!

    OBS:eu queria entender uma coisa, não leve a mal.Você me segue, porém nunca deixou um comentário, sobre o seu pensar no meu blog.
    Ele está aberto para você quando quiser!
    Beijo grande, e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  4. Olá Patricia!

    Obrigado pela gentileza do comentário. De fato, o poeta deve ser como uma especie de alquimista, transformar tudo no "ouro" dos versos emprestando à vida o brilho da poesia.

    Quanto a comentar em seu Blog, já corrigi minha indelicadeza. Já comentei seu belo texto para seu amigo Marcelo.

    Como muitos Blogs usam o sistema de "confirmação de palavras", e nem sempre o Webvisum consegue ler aquelas letrinhas, acabo não comentando mesmo em blogs que não usam os tais captchas que são um transtorno para nós deficientes visuais.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  5. Olá querido amigo !!!

    Lindo poema !!
    Eu sou fã dos poetas, porque sabem se expressar com uma beleza sem igual falando sobre qualquer assunto ou sentimento, sejam eles ruins, bons, tristes ou alegres ! Até mesmo em protestos, os poetas tem este Dom divino que nos envolve e emociona !
    E com esta arte conseguem preencher, sem dúvidas os vazios de várias almas.
    Lindo !

    Um abração e bom restinho de semana !

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Samanta!

    O poeta tem uma forma diferente de falar das coisas iguais. Uma sã loucura que empresta encanto arte de viver.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  7. Oi Antonio vim agradecer sua visita e ler vc...

    Que as primaveras deixem um rastro de flores no nosso caminho para enfeitarmos a vida de poesias preenchendo nossos vazios de cores e alegrias tecidas da sua essência.

    Obrigada por me trazer aqui e ter o prazer de conhece-lo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Bom dia Regilene!

    Sou eu quem agradeço, por sua visita e poético comentário.

    Tenha um bom e inspirado fim de semana.

    Um abração.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...