Seca, eterna seca - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

 

                    Seca, eterna seca              

     

... a quem negaram digna escola, sonegaram educação. Numa antítese ao Profeta Conselheiro, Não fazem o sertão virar mar, mas arriscam o mar virar sertão; Mar de grana, que escoa, esvai-se no sumidouro do poder...


Antonio Pereira Apon.


Deserto.


Segue triste o velho Chico.

Maltratado, esquecido...

A transposição?

Nem transpôs a eleição!

Logo o mal eleito,

esqueceu do povo o pleito.

Só miragem pro sertão.

A quem serve tal mutreta?

Ao fim eleitoreiro?

Ao enricar do empreiteiro?

Desdenhosa embromação. ...

No meretrício da política,

ideológica prostituta,

rende a poucos o prazer.

Ao sertanejo penitente,

resta a sorte indigente,

indiferença de morrer.

Aos “Coronéis” de outrora,

seguem os “companheiro” de agora.

Distribuindo “bolsa esmola”,

a quem negaram digna escola,

sonegaram educação.

Numa antítese ao Profeta Conselheiro,

Não fazem o sertão virar mar,

mas arriscam o mar virar sertão;

Mar de grana,

que escoa,

esvai-se no sumidouro do poder.

Mais uma rês entregue ao chão,

e o abutre em seu repasto,

imprimem triste retrato,

nefasta desolação.

A seca da natureza,

guarda em si menor dureza,

que a dos ressequidos corações.

Na árida tez sofrida,

escorre a lágrima dorida.

Do pobre,

derradeira irrigação.



   
 
 

4 comentários:

  1. Afinal, Antonio, encontrei uma ótima qualificação para a política... "meretrício"... Perde-se tudo, com a famigerada exploração da seca, onde muitos levam vantagens particulares, enquanto outros, sofrem com a indignidade humana!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Antônio!

    Há seca por aí ou é mera metáfora, mesmo?
    Seu poema está muito bem estruturado e revela, inteligentemente, como é a nossa sociedade.

    Resto de feliz dia.
    Abraço da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luz.

      O Nordeste do Brasil vive uma das suas piores secas. Enquanto isso, nossos politiqueiros seguem preocupados com sua politicagem. O povo que se dane, ruminando novas e velhas mentiras dos antigos e noviços farsantes que desgovernam nosso país.

      Um abração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...