Hoje. Sempre hoje - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

 

                    Hoje. Sempre hoje              

     

O passado se foi e não volta, o futuro pode vir a ser (ou não). Só o hoje é real.


Trem ao sol.


Ontem é o hoje que expirou,

amanhã é o hoje que aspiramos,

hoje, a realidade.

Num hoje se nasce, num hoje se morre,

num hoje a lucidez ou porre.

Num hoje:

perde -Se e se ganha,

bate-Se e se apanha;

enfastia-Se, se surpreende,

ensina-Se, se aprende;

insiste-Se, se desiste,

alegre, ou triste;

ora-Se, se cora,

despreza-Se, se adora;

antecipa-Se, se adia,

prolonga-Se, se abrevia;

traz-se, se leva,

rebaixa-Se, se eleva...

Um hoje.

Sempre hoje.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

   
 
 

5 comentários:

  1. Meu amigo

    É mesmo isso...o futuro é hoje e devemos viver como se não houvesse amanhã.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só o hoje é. O ontem já foi e o amanhã poderá ser (ou não).

      Um abração.

      Excluir
  2. Olá, António!

    Tudo bem?

    Andei, um pouquinho, "às voltas" para encontrar o retângulo dos comentários, no seu blogue, o que não é habitual, mas cheguei cá, HOJE.

    Continua com "A PEDRA" no sapato, ou em outro lugar qualquer, não é assim? Isso, já não de HOJE, portanto passado, mas temos memória, e por isso lembramos factos bons e menos bons.

    Quanto ao seu poema, "HOJE", é pura verdade, mas dificilmente nós conseguimos ver as coisas, desse jeito. É preciso um esforço mental enorme, um treino bastante apurado e constante, para além da fé e da boa autoestima.

    Eu, com licenciatura em História, deveria apreciar o passado, "velharias", mas não, gosto mais da modernidade, que dia a dia vai surgindo nos vários setores das nossas vidas, sem, no entanto, desprezar a importância que o passado tem para compreensão do presente e até do futuro.

    A História NUNCA se repete, pelo menos, do mesmo modo, igualzinha, mas temos de espreitar, sempre os antecedentes e os possíveis consequentes.

    Cada vez mais, vivo um dia de cada vez, porque não sei se amanhã, vou estar por cá. Repare, António: nós compramos uma peça de vestuário, numa determinada época. Muito bem. A vestimos, mas no ano seguinte, parece que ela encolheu, que já não fica bem, enfim, PASSADO. Compramos outra, FUTURO, e é nesse balanço, que a gente vive e consegue ser feliz.

    ESTOU PRESENTE, HOJE, PARA VOCÊ E PARA SEU BLOGUE.

    Obrigada pela visita, e desejos de boa semana, que retribuo.

    Aquele abraço, que não é diário, mas quase.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luz.

      No hoje estão todas as possibilidades e a cada dia esse instante, chamado presente, passa cada vez mais veloz, transformando a vida, num museu de “velhas novidades”. Só podemos viver o hoje e um hoje de cada vez. O agora, logo será passado, cairá no rol das lembranças, das lições aprendidas (ou não). O futuro, é um desejo, uma projeção, não adianta ficarmos feito cachorro correndo atrás do rabo, tentando viver o amanhã. Também não devemos desperdiçar tantos momentos, pranteando o pretérito. Só o hoje existe. Vivamos!

      Um abração.

      Excluir
  3. Vim espiar o poema sugerido, Apon. Lindo! E no final, tudo se faz no hoje. Um abraço!

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...