Pena de vida - A arte da vida. Apon HP

Bom estar com você aqui no A ARTE DA VIDA. APON HP!


Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

Pena de vida

Publicado em domingo, 25 de maio de 2014



... minha cegueira, mas a de quem vê e não quer enxergar; implica, complica, apraz-se em não simplificar...


Antonio Pereira Apon.


Pôr do sol pela janela.


Cativo de minhas escolhas,

desacertos dos meus acertos;

cumpro minha pena de vida.

Minha alegria hoje triste,

rumina sorrisos dormidos,

lembranças de tempos idos,

descoloridos;

restos do que não restou.

Sobrevivo adormecido,

qual velho livro,

mero adorno na estante;

acumulando o pó dos dias não lidos,

onde jaz a tinta ressequida,

sepultada nas pálidas folhas dormentes.

Nessa cadeia insana,

Desatinada bolha nonsense;

não me infelicita a minha cegueira,

mas a de quem vê e não quer enxergar;

implica,

complica,

apraz-se em não simplificar.

Insulando,

isolando,

ditando das horas o andar.

Sem o frescor da brisa,

sem perfume de flor,

murmúrio de mar,

sem do sol o alvor.

Meu computador.

Janela que me resta,

empresta a minha poesia o voar.



2 comentários:

  1. Olá meu caro,

    um lindo poema! A cegueira não depende só dos olhos... Há tantas almas cegas por aí!
    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir
  2. Em seu poema Antonio, você nos contagia com seu olhar que vê, enxerga, e pontua-nos ações de dignidade e muita sabedoria de vida!
    Abraços.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.





Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..



Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM