Expectativa. Quem espera, nem sempre alcança - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Pensamento do dia:





Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

 

                    Expectativa. Quem espera, nem sempre alcança              

     

... Tudo é o que é, todos são o que são e serão como quiserem, puderem ou tiverem que ser. Decepção, desengano, desilusão são efeitos colaterais...


Antonio Pereira Apon.


Mulher na janela em Figueras - Salvador Dali.


Não se deve contemplar a vida como mero espectador nem portar-se como contumaz expectador. Um assiste a tudo passivamente, enquanto o outro espera em demasia. O primeiro segue a reboque dos acontecimentos, sobrevivendo conforme os humores do azar e da sorte; o segundo, vive a ruminar a ansiedade e frustração do seu tanto expectar.


Viver é agir sem esperar, fazer o que nos cabe e seguir em frente; não condicionar, não fantasiar nem mesmo idealizar. Tudo é o que é, todos são o que são e serão como quiserem, puderem ou tiverem que ser. Decepção, desengano, desilusão são efeitos colaterais das ilusões e expectativas.


Assim sendo, querer e poder nem sempre se ajustam na mesma sentença. Tanto a conformação paralítica do espectador como a inconformação paralisante do expectador, desatinam; roubam o rumo, o prumo, a arte de saber viver.



Postado aqui em 28 de fevereiro de 2016.



   
 
 

8 comentários:

  1. Amigo Antonio, suas colocações de palavras são mesmo para que, quem o ler possa refletir com a mensagem aqui proposta.
    Amei isso e amo essa sua inteligência, és professor portanto...
    A expectativa é mesmo isso, nem todos que esperam alcançam, mas quem é espectador das belezas que a vida pode nos mostrar é infinitamente feliz!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como bem cantou Geraldo Vandré: "Quem sabe faz a hora, não espera acontecer".

      Um abração.

      Excluir
  2. Sua crônica reflete meu modo de pensar... Não fico como plateia... Vou pra cima do palco e desenvolvo o meu papel, colaborando sempre...
    Destaco esse parágrafo:
    "Viver é agir sem esperar, fazer o que nos cabe e seguir em frente; não condicionar, não fantasiar nem mesmo idealizar. Tudo é o que é, todos são o que são e serão como quiserem, puderem ou tiverem que ser. Decepção, desengano, desilusão são efeitos colaterais das ilusões e expectativas."
    Abraço.


    Leia mais: Expectativa. Quem espera, nem sempre alcança - A arte da vida. Apon HP http://www.aponarte.com.br/2016/02/expectativa-quem-espera-sempre-alcanca.html#ixzz41V48PeYE
    Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisamos aprender a fazer a parte que nos cabe, não esperar que os outros façam nem os "favores" do céu. Assumirmos nossas responsabilidades e seguirmos em frente, independente de qualquer coisa.

      Um abração.

      Excluir
  3. Olá, Apon, penso que foi muito feliz quando finalizou falando sobre a arte de saber viver. Nem esperar demais, nem agir demais, agir, mas também saber aquietar em alguns momentos, mudar de rumos em outros... quem fica inerte não vive de verdade. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida pede equilibrada interatividade, nem inação, nem demasiada expectativa.

      Um abração.

      Excluir
  4. "Viver é agir sem esperar, fazer o que nos cabe e seguir em frente; não condicionar, não fantasiar nem mesmo idealizar."

    Antonio, em alguns momentos da vida eu fiquei tão desnorteada que não conseguia seguir em frente, agir, como se esperasse que alguma coisa alheia à minha vontade pudesse me tirar do lugar, me impulsionasse a uma reação. Somente depois de "sofrer" este momento letargia é que começava a buscar soluções.
    Teu artigo está excelente, bem focado, como tudo aquilo que escreves, meu amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por vezes, a vida nos surpreende e carecemos de um tempo para reunir forças e seguir em frente, tardar é acumular dificuldades. A vida não para.

      Um abração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...