Algumas definições “politicamente corretas” - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

 

                    Algumas definições “politicamente corretas”              

     

... Ladrão: Defensor da portabilidade patrimonial. Político: Pessoa de ideologia elástica, extremamente adaptável a seus interesses. Presídio: Colônia de acolhimento para a ressocialização. Sacerdote: Adjunto de Deus. Lobista: Embaixador dos interesses corporativos...


Cofre aberto.


Uma patologia cultural alienante, que sataniza palavras e expressões, usando o eufemismo para criar alcunhas pernósticas, fingindo que mudou algo, apenas trocando-lhe o nome, o rótulo. Eis em suma, o “politicamente correto”, que patrulha, dita, censura... Coisa de gente desocupada, ou melhor, diria: Pessoas dotadas de demasiado tempo ocioso...


E nessa linha podemos definir:


Mentira: Déficit de verdade.

Corrupção: Déficit de honestidade.

Ladrão: Defensor da portabilidade patrimonial.

Político: Pessoa de ideologia elástica, extremamente adaptável a seus interesses.

Presídio: Colônia de acolhimento para a ressocialização.

Sacerdote: Adjunto de Deus.

Lobista: Embaixador dos interesses corporativos.

Hipócrita: Pessoa de caráter complacente.

Doleiro: Assessor monetário.

Golpe: Contrariar os “poderosos”.

Pobre: Portador de deficiência financeira crônica.

Omissão: Desatenção seletiva.

Burrice: Disfunção do aparelho cognitivo.

Religião: Check-in do Céu.

Ideologia: Fazer com que acreditem naquilo que não merece crédito.


Por aí vai! ...


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

5 comentários:

  1. "Por aí vai..." Não tem fim essas definições.
    Amigo Antonio, estamos sempre em uma "corda bamba", não dá mais para confiar em nada e em ninguém,eu mesma já fui chamada de "ignorante" por exigir explicações bem detalhadas de tudo, pois quem "enrola" acaba ficando enrolado com essa minha atitude.
    Olhe que há muitos, mas muitos mesmo em nossa volta, até para se atender ao telefone há que se ter muito cuidado!
    Amei ler aqui, como sempre, tens boas postagens!
    Abraços bem apertados e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim vai a humanidade, criando rótulos no lugar de consertar e explicar o conteúdo. Falácias politicamente incorretas.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  2. Que interessante, António... As definições são de tua autoria ou recorreste a alguma fonte...

    Olá, estás bem...

    Adorei ler teu post. Essa de patologia cultural está five étoiles. Aí, e em quase todo o mundo, anda metade tentando enganar outra metade ou até mais.
    A propósito de pessoas dotadas de demasiado tempo ocioso, com que idade é que os Professores se aposentam no Brasil, ponto de interrogação. Eu li num blog que era aos 55 anos. Verdade, ponto de interrogação.
    Aqui é aos 66 anos e dois meses - coisas dessa esquerda louca.

    boa semana. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Passando de novo para saber se meu anterior comentário tinha saído com o nome-pseudónimo de CÉU ou anónimo.
    Voltarei, depois, para ver e ler tua resposta.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, tudo ok! As definições são de minha autoria. Uma sátira a essa insanidade do "politicamente correto", acho isso tudo uma incorreta palhaçada, isso sim.

      Aqui os professores (por enquanto) podem se aposentar aos 55 anos, desde que tenham cumprido o tempo de contribuição para a previdência: 30 anos para os homens e 25 para as mulheres, em regência de classe.

      Um abração e uma boa semana para ti também.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...