Acróstico junino - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Clique na animação abaixo, para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.


Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

 

                    Acróstico junino              

     

Versando essa supra religiosa festança a três santos católicos, herança europeia, releitura nordestina, mania nacional. Anarriê! Xaxado, forró, baião e o que vier. Viva Santo Antônio! Salve São João! Valha-nos São Pedro!


Antonio Pereira Apon.


Barco com Bandeirinhas e Pássaros, de Alfredo Volpi - 1955.


Fogos, festa e fogueira,

estética do festejar,

saracotear e levantar poeira;

triângulo, sanfona e zabumba,

arraiá, quadrilha abunda,

sanfônico celebrar.


Juninos santos; Antônio, João e Pedro,

uníssono folguedo,

nordestino festar;

internacional herança,

nacional festança,

sabores, cores, forrozar.



Postado aqui em 20 de junho de 2016.


Show de imagens.






   
 
 

8 comentários:

  1. Olá, tu tens nome de santo, de santo popular, já tinhas pensado nisso...

    Adorei o acróstico que fizeste, Antonio. bem concebido e executado. Eu não sei fazer acrósticos, ou os faço com imensa dificuldade.

    É uma festança, que só vendo... Santo António, padroeiro de Lisboa, é muito festejado por cá. Eu ainda não entendi o porquê deste folguedo todo. tu, já... É uma herança, uma questão cultural, ok, mas isso dá direito a tanta loucura e exploração... Sim, digo exploração, porque uma sardinha assada na noite de Sto. António, por cá, chega a custar 3 euros.

    Aqui, é quase meia-noite. Vou comer alguma coisa leve e depois fazer os preparativos para dormir.

    Até breve. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meus dois avôs eram Antônio, meu padrinho, idem. Meu pai era João e minha mãe e Maria. Bota santo popular nisso! Kkkkk...

      Aqui, não só Santo Antônio, mas também São João é bastante popular, já São Pedro, fica meio de coadjuvante. A exploração aqui também é grande. Mas, no Brasil, com motivo ou sem, tudo acaba em festa. Até certa medida, é salutar. Quando passa do ponto, vira alienação e dá no que está dando nesse país.

      Como diria o povo do interior: "Inté"! "Té mais vê, sô"!

      Um abração.

      Excluir
  2. Tu e sua família tem, com acento, nomes normais, contrariamente a cada um que encontro na blogosfera. Mas qual o motivo desses nomes tão estranhos e invulgares...

    Aqui, também. Em Lisboa, Sto. António, no Porto, S. João e S. Pedro, com pouca relevância pelo país todo, como já te disse.

    Alegria é necessária, sim, mas os brasileiros, em geral, ultrapassam o conveniente e até calamidade pode virar folguedo, entre aspas, com samba e tudo. Pois, por isso, é que o teu gigante está como está. Pobrezinhos, mas contentinhos, como aqui se fala.

    Inté, António...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... Infelizmente, Charles de Gaulle estava certo: "O Brasil não é um país sério". E nunca antes na história, isso ficou tão evidente.

      Um abração.

      Excluir
  3. Charles de Gaulle, Salazar e o General Franco tinham razão em muita coisa e cada vez mais as afirmações deles se estão, infelizmente, cumprindo.

    Abraço. Noite de paz e luz.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Apon, gosto muito de acrósticos, penso ser uma das formas mais criativas de se treinar a arte da escrita. Trouxe no seu a essência das festas juninas. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato. O acróstico é bastante interessante de ser feito, um bom exercício para a criatividade.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.


Fale conosco:

Para exibir/ocultar nosso formulário de contato Clique aqui.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...