Devaneio - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Clique na animação abaixo, para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.


Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

sábado, 14 de janeiro de 2017

 

                    Devaneio              

     

... tempo que foi, sem jamais ter ido; eternizada presença da sua ausência. Trago os olhos desertos de luz, nos ouvidos, a lembrança da sua voz, no meu corpo, a memória do seu...


Antonio Pereira Apon.


Mona Lisa - Leonardo da Vinci.


Qualquer tempo,

é muito tempo sem você.

Num segundo as horas correm,

dias fogem impossíveis de conter;

folhinhas se desfolham,

relógios entontecem.

Mas…

Preso num paradoxo temporal,

sobrevivo,

cativo de um lapso cronológico,

tempo que foi,

sem jamais ter ido;

eternizada presença da sua ausência.

Trago os olhos desertos de luz,

nos ouvidos, a lembrança da sua voz,

no meu corpo, a memória do seu corpo,

na minh'alma, um eco distante de felicidade.

Meus pés erram tristes sem rumo,

minhas mãos calam adormecidas,

meus sentidos, sentidos desertam.

A vida.

Qual abstruso sorriso da Monalisa,

nada diz! …

Apenas, sorri.



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

12 comentários:

  1. Há devaneios que valem bem a pena, meu lindo amigo! É o caso do teu maravilhoso poema, que enquanto o "saboreava", me fez sonhar.
    Não sei exprimir por palavras, aquilo que senti ao ler teu escrito, tão poético, quanto amoroso. Na realidade, quando gostamos mesmo, quando amamos pra valer, a ausência de um dia, pode parecer eternidades e a vida fica cinzenta, sem graça, qual sorriso de Mona Lisa, que o não tem, embora tenha um arzinho de sorriso, que dá encanto e distinção à célebre e até agradável pintura de da Vinci.

    Estou escutando a música (eu sei que posso parar, que tu já me explicaste como fazer) e gostando dos sons, mas, de vez em quando, "perco" a atenção e começo a devanear, também. Enfim, é caso pra dizer: Devaneios, quem os não tem!

    Gostaria, que, vez ou outra, tivesses um Devaneio. Pode ser? Aceitas?

    Agradeço teu comentário lá no blog ao meu poemazeco. Minha inspiração não deu pra mais, dessa vez.

    Beijinho, "minino" e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devaneio, sonho, esperança e um tanto de poesia, o que seria a vida se perdesse toda a utopia? ... Vez por outra é bom pintar no rosto um sorriso farto, generoso, desacanhado. diverso do morno e contido sorrir da Senhora Lisa. Devanear sempre!

      Um abraço.

      Excluir
  2. António,

    Ora, minha opinião quanto ao novo visual de teu blog: o acho mais prático, mais arrumado ainda, "coisa" de quem sabe mexer em Informática e sobretudo muito distinto. O contraste fica muito bem, aqui, porque fizeste preto com bege, o que não choca tanto o olhar, como se fosse, preto com branco.

    Percorri teu espaço, de alto a baixo, e até a publicidade está bem arrumadinha, lá em cima, não perturbando, nem levando o leitor ou comentador pra ela, obrigatoriamente.
    Há muita cor e imagens, ao fundo, bem bonitas. "Tá" Aprovadíssima, tua nova escolha!
    Parabéns por teu blog ocupar a 37ª posição nos Blogs Brasil.

    Inté e se divirta, a seu modo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que esse seja o modelo que mais se aproxima do que imagino como ideal. Mas um dia chego lá. Obrigado por expressar sua opinião, meus olhos são os olhos de quem vê o blog. Eu só posso imaginar...

      Um abraço e bom domingo.

      Excluir
  3. Ora essa, António! Nada de agradecimentos. Sabes que sou bem sincera e te "conheço" há um tempão.

    Andamos sempre procurando o ideal, sempre nos aperfeiçoando, e acho que, um dia, chegaremos lá, sim!

    Li, tua resposta, no teu anterior post, e compreendo, perfeitamente, tua tristeza, mas tens de pensar que nada é para sempre e o mal também não.
    Vamos lá! Quero um sorriso em teu rosto, JÁ!

    Bom domingo, menino!

    ResponderExcluir
  4. Lindo como sempre, tudo por aqui, o novo visual, bem elogiado pala Céu, sua amiga seguidora fiel!
    Amei os versos, devaneio, ah, como é bom poder "devanear" algumas vezes, poetar assim é tudo de bom amigo Antonio!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com o perdão da redundância, a poesia empresta poesia à vida, portanto, vamos devanear!

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
  5. Olá, António!

    Estive por aqui, para reler teu "Devaneio", pra ver se encontrava "A Pedra" e pra te desejar uma semana bem feliz. Nossa, aí, calor, e aqui tanto frio!
    Me manda, se possível, uns 15ºg. Tá (rs)?

    Aproveita esse sol maravilhoso, garoto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por cá, esse calor insuportável não permite devaneios, é uma pedra dura de carregar. Seria bom poder fazer uma equação climática e criar um clima intermediário aqui e aí.

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
  6. Oi Antonio,
    Impressões que marcam nosso corpo, nossa mente e a alma! Brotam feito "devaneios", ressurgem em poesias tão bem escritas!
    Amei!
    Tenhas uma ótima semana!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A poesia desnuda tudo o que marca a alma humana, traduz em versos os pensares e sentires.

      Um abraço. Ótima semana para ti também.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...