Artífice. Não poeta - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

 

                    Artífice. Não poeta              

     

... remendar da sorte, negar prega a praga do azar. Pespontar poesia, destacar o amor; eu o linho, ela a linha, o sentir que nos há de alinhar; vincos, rugas, nossas marcas do viver. Não...


Antonio Pereira Apon.


Girl at Sewing Machine, pintura de Edward Hopper. Uma jovem sentada numa máquina de costura em frente a uma janela num dia ensolarado.


Não sou poeta.

Artesão de versos, talvez;

alinhavando palavras,

cosendo frases,

cerzindo pensamentos,

costurando sentimentos,

bordando a vida.

Chuleando o tempo,

pro destino não desfiar,

não descasar do caseado;

drapear da rima,

remendar da sorte,

negar prega a praga do azar.

Pespontar poesia,

destacar o amor;

eu o linho, ela a linha,

o sentir que nos há de alinhar;

vincos, rugas,

nossas marcas do viver.

Não, não sou poeta.

Alfaiate, costureiro,

costurador, aventureiro...

Artífice dessa arte do escrever.





Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

8 comentários:

  1. Tonico, mon chéri ami!

    Que excelente "costureiro" da poesia tu és! Fazes poemas como eu bebo água.

    "Eu o linho, ela a linha", ah, fiquei "babando e um dia desses foi escrever essa frase e dizer que a autora sou eu (rs).

    Adorei teu cerzir de palavras, tendo como base a arte de tão bem amar as palavras.

    Também gostei muito da pintura, cujo pintor desconhecia. A rapariga (aí, termo feio. Aqui, muito usado) cose na máquina de costura e nem levanta cabeça.

    Beijinho e inté.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eta exagero! Eu escrever como bebes água. Quanto á frase, me inspirei na música de Gil, a qual já lhe apresentei num outro comentário. Queres plagiar nós dois? rs rs rs...

      https://www.youtube.com/watch?v=MCkjBjJImbQ

      ""costureiro" da poesia". Vamos por aí...

      Amanhã é feriado aqui na Bahia, dia da padroeira do estado, Nossa Senhora da Conceição.

      Um abraço, minha querida amiga. Em bom português. "franseis" nós estraçaia.

      Excluir
    2. Oi, querido (chéri) Tonico!

      Não é exagero, coisa nenhuma. Tu consegues escrever 3 ou 4 poemas num dia, assim, com mega inspiração. Evidentemente que eu bebo mais que 4 vezes por dia, aliás, bebo cerca de dois litros de água, diariamente. É depurativa e faz bem a todo o nosso corpo.

      "Plagiar nós dois", escreveste. "Não" entendi. Eu nunca escrevi nada com linho e linha. Bem, então vamos supor e brincar.

      "Eu" bordo seu corpo todinho, porque sou a linha e "tu" o linho. No teu rosto, bordo um sorriso, na tua boca, outra boca, mas essa com linha vermelha, no peito, um coração, nas costas, um malmequer, nos braços, umas asas e nas pernas, um caminho verdejante. Gostaste do bordado? "Nossas vidas" estão bordadas uma na outra. E agora? Aí, estão 29ºg de temperatura? Aqui, 8ºg. Ah, tenho que me aconchegar no bordado do "teu" corpo, por causa do frio e da estima, que por ti tenho (tu sabes como é minha imaginação - rsrs).

      Só é feriado na Bahia? Eu pensava que era feriado no Brasil inteiro, tal como é em Portugal. Bem, então, já disse coisa errada, desejando a gente de S. Paulo e do Rio, bom feriado.

      Grata pelo vídeo, que já conhecia, mas não me lembrava lá muito bem da letra.

      Tem estudado francês (rs)? Ah, tem de ser, pelo menos o básico.

      Bonne journée (bom dia, boa jornada), bon congé (bom feriado), mon ami chéri, Antoine (meu querido amigo, António).

      Bisous (beijos).

      Excluir
    3. Haja imaginação! Rs rs rs... Eu disse que a minha frase era inspirada em "a linha e o linho" de Gilberto Gil. Portanto, se você copiar a minha frase como sua, estará plagiando a mim e a ele.

      Aqui já está um calor dos infernos, passou dos 33 essa semana.

      Na verdade, a padroeira é da Bahia, mas, o feriado é só em Salvador, onde fica a basílica da Conceição da praia, trazida por seus patrícios, desmontada em módulos e montada aqui, A única nesse estilo construtivo.

      Francês?! Que troço é esse????????? Rs rs rs...

      Inté! Um abraço.

      Excluir
  2. Bom dia caro poeta, tecelão das palavras, este poema parece uma colcha de retalhos, retalhos de fragmentos poéticos. Pra vc, deixo aplausos de pé e chapéu na mão!

    Tenha um feliz domingo!

    Saudações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos costurando a vida com as linhas dos sentires e pensares, bordando em versos o existir. Brigadoooooooo!

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
  3. Simplesmente adorável seu poema, expressando verdadeiramente e com muito sentimento que o poeta é grandioso artífice da palavra, costurando e pespontando a poesia no dia a dia da vida. Amei!
    Beijos e um domingo bem feliz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Artesão da escrita, eis o que é o poeta.

      Um abraço. Uma semana com tudo de bom.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...