Malmequer - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

 

                    Malmequer              

     

... real bem querer que recebi. Pus na janela a flor singela, que criou asas e mais do que voou...


Antonio Pereira Apon.


Malmequer.


Malmequer, um bem-me-quer de bem querer,

diverso em versos, nomes, cores;

beijos de estudante, pajito, pampilho, papiro,

sejamos-amigos, branco ou amarelo o malmequer:

dos beijos, de Santa Maria,

pequeno, grande, da praia, do jardim, do brejo ou da campina,

da China ou de onde vier.

Margaridão, dourada margarida, maravilha!

Maria-mole, flor-das-almas,

perpétuas saudades de um girassol do mato,

artemísia-dos-ervanários, dos prados, rainha-das-ervas…

Erva-vaqueira, flor faceira que me inspirou.

Virtual o malmequer,

do real bem querer que recebi.

Pus na janela a flor singela,

que criou asas e mais do que voou.

Versejou!




   
 
 

10 comentários:

  1. Oi, Tonico!

    Já totalmente bem e refeito? O meu dente está "caminhando", também.

    És mesmo poeta. Imagina um malmequer, que pensei branco, e que te ofereci com todo o meu bem querer, deu origem a uma poema tão simples, quanto belo.

    Já desfolhaste um malmequer? Eu, na minha adolescência, desfolhei vários e sempre ele, o menino, que me olhava na escola gostava de mim e eu dele, claro. Eu acho que fazia alguma batota, pois sempre me dava bem querer.

    Foi um envio, um presente virtual, mas vamos imaginar que foi real e que não há oceanos a nos separar. Gostava de ver tu desfolhando um malmequer. São atitudes, que temos aos 15 ou aos 50 anos, pois o amor é sempre algo misterioso e bom.

    Bem te quero, SIM, e disso não tenhas a mais pequena dúvida.

    Uma fado-canção de Amália, que já não escutava há muito. Adorei ouvir e relembrar. Quem de ti anda a fugir (rs)? Santarém é uma cidade pertinho de Lisboa, que guarda algumas histórias de amor.

    Beijinho, querido amigo e te quero a 100% de saúde e não só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o malmequer criou cor, ganhou as asas dos versos e singrando as ondas modernas do mar da internet, desconsiderou o atlântico e em sua "caravela" cibernética, alada e virtual aportou por aí.

      Não, nunca desfolhei um malmequer. Mas, nunca é tarde e não há idade para o sentir. Contudo, o amor anda meio arisco para o meu lado... Rs rs rs...

      O bem querer é recíproco.

      Um abraço recuperado. Inté!

      Excluir
    2. Oi, Tonico!

      O primeiro parágrafo da tua resposta é de mestre. Que excelente metáfora, que eu nunca saberia construir.

      Adorei tua chegada na caravela real, bem melhor das que Vasco da Gama usou para descobrir a Índia (rs), pois até climatização, WC e duas enormes asas. Foi uma alegria pra ambos e ficámos conversando durante umas horas.

      És menino. Compreendo, mas olha que um dia desses o farás, nem que seja por curiosidade! Nunca é tarde para amar, não.
      Anda arisco para o teu lado? Há fases, assim, que repentinamente são ultrapassadas. O importante é escolher a pessoa, não direi certa, pois essa não existe, mas aquela que melhor nos entenda e estime.

      Muito obrigada, Noto que sim.

      Agora, vou desfolhar um malmequer virtual com cinco pétalas pra ver se me darás um beijinho ou um abracinho recuperado. Ora, vamos lá! 1- bem me quer; 2- mal me quer; 3- bem me quer; 4-mal me quer; 5-bem me quer. Viste? Eu bem te quer. E agora? Tens de me mandar um beijinho, porque deu bem me quer (rs).

      Excluir
    3. Uma caravela técno-poética. A conversa rendeu, rendeu, rendeu... Rs rs rs...

      O amor é transcendente, não se circunscreve ao amor romântico, personificado, que acontece, ou não. Com ou sem este, sobrevivemos, vivemos e poetizamos a grande poesia que é a vida. Essa sim, o que verdadeiramente importa.

      Estou mandando esse beija-flor ir aí entregar teu beijo...

      https://www.youtube.com/watch?v=fGybpOizmSU

      Um abraço de bem querer.

      Excluir
    4. Isso mesmo. Eu sei fazer render as conversas, culpa de minha imaginação (rs).

      Se me dessem a escolher: amor ou vida? Evidente que escolheria a vida, mas sem amor, que triste!

      Adorei a letra e a vozinha da menina. Beija-flor se comportou, direitinho.

      Abracinho.

      Excluir
    5. Põe imaginação nisso! Rs rs rs...

      Precisamos aprender a viver sem condicionamentos. Com, sem ou apesar de qualquer sentimento, viver.

      Eu ia mandar um pombo correio, mas, estes por vezes não se comportam, por isso mandei o beija-flor. Que, além de comportado, por si só, já é uma poesia.

      Um abraço transatlântico.

      Excluir
  2. Querido amigo, linda inspiração, que bom que a flor na janela criou asas e versejou!
    Amei ler como sempre, brincas muito bem com as palavras e rimam muito bem em versos perfeitos!
    Abraços apertados! 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poetizar é dar asas aos pensamentos, às flores, a imaginação...

      Um abraço.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...