Empatia. Vidas não são números - A arte da vida. Apon HP

Bom estar com você aqui no A ARTE DA VIDA. APON HP!


Siga-nos

Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

Empatia. Vidas não são números

Publicado em segunda-feira, 25 de maio de 2020



... Incapazes de se colocar no lugar dos outros, tratam com gelidez os números frios que escondem nomes e sobrenomes, com amigos, vizinhos, parentes, serviços prestados, uma biografia… Desumanizados, desdenham indiferentes da vicissitude que: “não é minha”, “e daí”?! “E eu com isso”? ...



O Lenhador, pintura de Ferdinand Hodler #PraCegoVer

O anonimato dos índices e estatísticas, entorpecem, num distanciamento ilusório e indiferente. Até que, as catástrofes, dores, perigos, devastações, desgraças… Se avizinham, atingem conhecidos, parentes, amigos… Senão, segue-se fazendo cara de paisagem. Sobretudo, aqueles, deveras atidos em seus usos e frutos, cujo egoísmo, não permite alçar órbitas superiores além do entorno do próprio umbigo. Vão concordando, assentindo, pactuando, participando, sendo coniventes com quem e o que vai prejudicar, “apenas os outros”.

Incapazes de se colocar no lugar de outrem, tratam com gelidez os números frios que escondem nomes e sobrenomes, com amigos, vizinhos, parentes, serviços prestados, uma biografia… Desumanizados, desdenham indiferentes da vicissitude que: “não é minha”, “e daí”?! “E eu com isso”? ...

A fábula, As árvores e o machado, de Esopo, nos convida a pensar e agir com empatia, até mesmo para nossa própria proteção:

Um homem foi à floresta e pediu às árvores, para que estas lhe doassem um cabo para o seu machado novo.
O conselho das árvores então concorda com o seu pedido, e lhe ofertam uma jovem árvore para este fim.
E logo que o homem coloca o novo cabo no machado, começa furiosamente a usá-lo, e em pouco tempo, já havia derrubado com seus potentes golpes, as maiores e mais nobres árvores daquela floresta.
Um velho Carvalho, observando a destruição à sua volta, comenta desolado com um Cedro seu vizinho:
O primeiro passo significou a perdição de todas nós. Se tivéssemos respeitado os direitos daquela jovem árvore, também teríamos preservado os nossos, e poderíamos ficar de pé ainda por muitos anos.


Na mesma linha da necessária empatia e tomada de atitude, fugindo do descaso inconsequente e da acomodação negligente, que em algum instante, fatalmente nos alcançará, vem esse escrito atribuído ao pastor luterano Martin Niemöller:

Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei. No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar.


É bem como nesse fragmento do poema de Eduardo Alves da Costa (equivocadamente atribuído ao poeta russo Vladimir Maiakóvski):


Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem;
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada...


Eis o tributo pago por se aceitar o inaceitável que “só acontece com os outros”. Despertemos para a realidade de que, nenhuma vida é tão somente um número nem é desimportante. Ao menos, para quem não perdeu sua humanidade.

Dê uma espiadinha em nossas postagens mais recentes:



6 comentários:

  1. Como sempre uma publicação com as suas sabedorias...Muito bom!
    -
    Vagueio na abstinência ...

    Beijos e uma excelente semana :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todas as pessoas são importantes e merecem ser tratadas como gente, não coisas nem números.

      https://www.youtube.com/watch?v=pE_4m5_Da1o

      Um abraço. Tudo de bom.
      A ARTE DA VIDA. APON HP 💗 Textos para sentir e pensar.

      Excluir
  2. Publicação elogiável. Gostei muito de ver e ler.
    .
    Uma semana feliz
    Cuide-se

    ResponderExcluir
  3. Defendeu muito bem a necessidade de intervenção cívica, com excelentes exemplos.
    Grata pela interessante leitura.
    Abraço, António.
    ~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fazer nada e se omitir, é convidar a imposição e o arbítrio a fazerem graça.

      Um abraço. Tudo de bom.
      A ARTE DA VIDA. APON HP 💗 Textos para sentir e pensar.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.




Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..



|Siga-nos|Livros|Clima e cotações|Faça uma doação|



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.





Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM