Mar da vida



... Com a bússola da consciência e o mapa do livre arbítrio, navegamos; sob as noites das dificuldades e os dias de alegria, quando nossas...


Antonio Pereira Apon.


Barco navegando.


Ao nascer, cada um de nós recebe de Deus, uma embarcação para poder navegar no imenso mar da vida. Há grande diversidade nos tipos e condições das naus, tudo de acordo com as necessidades e a carta de navegação do tripulante.


Em geral, iniciamos na baía tranquila do lar, protegidos pela esquadra familiar. Alguns porém, são logo arrastados por correntezas e lançados em alto mar, tendo que muito cedo vencer tormentas inclementes para seguir em frente.


Algumas embarcações navegarão conosco parte do caminho, mas um dia tomarão outro caminho ou atracarão em algum porto que ainda não é o nosso.


Encontraremos embarcações em rota de colisão, teremos que tomar cuidado com os bancos de areia, arrecifes e pedras. E com muito, mas muito zelo cuidar do nosso "barquinho", para chegarmos inteiros e bem, ao nosso destino.

Não podemos descuidar da manutenção, nem de aperfeiçoar e equipar nosso barco, para vencer calmarias e tempestades, usufruir da placidez dos momentos de bonança e suplantar a violência dos instantes adversos.


Com a bússola da consciência e o mapa do livre arbítrio, navegamos; sob as noites das dificuldades e os dias de alegria, quando nossas lágrimas são calmamente recolhidas para o esquecer da imensidão, e os nossos sorrisos, sublimam-se em estrelas, que nos guiam para além da solidão.


Navegamos verões e primaveras, outonos e invernos, encontros e desencontros, venturas e desventuras...


Afinal chegamos ao fim dessa viagem, temos que desembarcar, deixando para trás, tudo o que "tivemos" e recolher aquilo o que fizemos, pois só ao término da jornada, percebemos, que o ter é efêmero e o ser, é que verdadeiramente vale para a "contabilidade" do infinito: nossas lembranças, sentimentos, pensamentos, o bem feito, as alegrias semeadas, as dores aliviadas, as amizades construídas, as contendas dirimidas, os desvios corrigidos, ter vivido e bem navegado a vida, ter aprendido e ensinado, ter amado e sido amado, ter sonhado, acreditado, lutado, feito...



(Postado aqui em 31 de julho de 2007)


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Belas as metáforas utilizadas por você, Antonio, na simbologia da nossa existência! Saber navegar... é uma graça recebida por todos, mas nem sempre sabemos nos conduzir e aos que conosco navegam!
    Excelente reflexão da tênue vivência que temos na terra.
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Querido amigo Antonio,
    Belíssimo este "quadro" da vida que você apresenta. Tua escrita, ao mesmo tempo tão singular e tão encaixada no tema, me encanta e me seduz. Escreves com a alma, meu amigo. Adorei.
    Nosso "barquinho" soçobrará se não o equiparmos com muito amor. Mante-lo sobre as águas, navegando mesmo durante as intempéries, é processo fundamental para nossa sobrevivência.
    Um grande beijo.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  3. Olá Célia e Maria!

    Somos todos navegantes desse mar da evolução. Uns mais ligeiros, outros mais lentos... Navegar, navegar sempre!

    Um abração e um fim de semana com bons ventos e ondas calmas.

    ResponderExcluir
  4. Olá Antonio!

    Eis aí nossa viagem!
    Abraços!
    Tenha um lindo fim de semana!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Vidas por um cinto. Sinto...

Acróstico junino

Qual o limite da amizade?

Poema para o amigo - Feliz dia do amigo!

Amigos não tão virtuais

Um até...

Querido defeito de estimação…