A arte da roda ao chip - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

 

                    A arte da roda ao chip              

     

... A arte desconhece fronteiras, línguas, raças ou classes sociais; ela é plural, universal, plena; ela transcende ao tempo que mata o homem, mas eterniza sua obra...


Antonio Pereira Apon.


Fractal de Antonio Pereira (Apon).


Segundo a mitologia, Prometeu roubou dos Deuses o fogo sagrado da inteligência e deu-o aos homens. Esse fogo fez brilhar na alma humana, o sol mágico da arte. O "artista" que da pedra tosca tirou a 1ª roda, não sabia que ali se inaugurava uma das maiores revoluções da humanidade; esse mesmo "artista" lançando mão dos elementos da natureza, registra nas paredes das cavernas, as primeiras cenas da dramaturgia humana no grande palco da terra.


A arte; que conheceu as trevas do medievo e as cadeias da intolerância, emerge nas luzes da renascença, mostrando ao mundo toda a beleza que o ser humano pode criar.


A arte, como um espelho da inquietude humana, faz-se metamorfose ante a metamorfose da História, e num desfile de estilos e técnicas, desembarca no século XX; mostrando que a humanidade que faz as guerras, a escravidão, o egoísmo, a fome, o assassínio da natureza... É a mesma humanidade que: Nos passos de um bale revela toda a leveza do ser, na tela vazia imprime a poesia da imagem, tocando um instrumento desarma o espírito, vestindo as asas da música, nas telas do cinema e nos palcos do teatro, retrata suas misérias e suas virtudes.


A arte desconhece fronteiras, línguas, raças ou classes sociais; ela é plural, universal, plena; ela transcende ao tempo que mata o homem, mas eterniza sua obra; ela não recua nem mesmo diante da evolução tecnológica, é ela que dá um toque humano à frieza das máquinas, máquinas que sem o fogo da arte, que iluminou o homem da roda tosca ao chip mais poderoso, certamente inexistiriam, como inexistiria o próprio homem que teria sido abortado por sua incapacidade de criar.



(Postado aqui em 25 de junho de 2009).



   
 
 

8 comentários:

  1. Me desculpe António, mas a arte, é saber escrever assim!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  2. Sábias palavras. O próprio homem é fruto da arte divina, inigualável.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Olá Ana e Marilene.

    O grande Artista é Deus que deixou toda a arte em tudo que criou, nós apenas temos a sorte de vez por outra, captar essa arte e transmiti-la a quem lê.

    Um abração

    ResponderExcluir
  4. Ah Antonio, abri os comentários pensando es escrever sobre o Grande Artista, e li que você já o fez, completando magistralmente esse seu texto perfeito.

    Lendo-o me veio a clareza de que a arte foi um dos recursos que Deus colocou no mundo para que todos os homens se comuniquem, mesmo sendo a humanidade tão diversa, a arte faz a conexão necessária. o que a língua separa a arte une, é linguagem universal.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  5. Olá Van!

    A arte é o "dialeto" universal que toca mentes e corações.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  6. Tem toda razão, o grande e poderoso artista é Deus... e é muito bonito ver que ele nos "emprestou um decímo dessa arte para que possamos nos expressar, a bem de que uns melhores que os outros, mas que no fim tudo se interliga.

    BEijão,

    ResponderExcluir
  7. Querido amigo,

    O seu texto tem sabedoria. Adorei.


    Beijos com carinho, Antonio

    ResponderExcluir
  8. Que belo texto e a arte é o que suaviza esse mundo mecanizado, que dá vida e embeleza os nossos dias.
    Beijos pra ti!

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...