Você não precisa de cerveja para ser feliz - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Clique na animação abaixo, para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.


Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

 

                    Você não precisa de cerveja para ser feliz              

     

… Alegria, satisfação, prazer saudável, diversão, sucesso, prosperidade... Não são coisas que costumam vir acondicionadas em latas ou garrafas, como tentam vender...

Antonio Pereira Apon.


Cerveja com espuma.

Conheço pessoas que dizem com trivial naturalidade: "se não tiver cerveja eu não vou", "vou bebemorar até cair", "festa sem cerveja, não é festa. É reunião de crente", "vou tomar todas, vou cair na bagaceira", "sem cerveja não dá pra ser feliz", "só uma cervejinha para afogar as mágoas"... Dependência química? Se você necessita de cerveja ou qualquer outra droga para poder se relacionar com as pessoas, confraternizar, festejar, sentir-se feliz ou superar uma tristeza ou qualquer dificuldade. Já deveria ter ligado o desconfiômetro. Alegria, satisfação, prazer saudável, diversão, sucesso, prosperidade... Não são coisas que costumam vir acondicionadas em latas ou garrafas, como tentam vender as criativas e bem produzidas propagandas.


Depois do veemente estímulo ao consumo, vem o: "Beba com moderação" ou "Se beber não dirija". Já passou da hora de um: "Anuncie com moderação" ou "Absorva essa propaganda com discernimento". O consumo de álcool entre os jovens aumenta, o álcool está presente em grande parte dos acidentes, dramas familiares, agressões e assassinatos, patologias diversas... Não é por ser uma droga lícita que o álcool é menos nefasto (muito pelo contrário). O fato de ter uma concentração alcoólica menor que outras bebidas, não transforma a cerveja numa bebidinha inocente, como se tenta fazer parecer. O controle ou mesmo a proibição da publicidade de cerveja e outras bebidas, não é uma questão de "paternalismo" mas de saúde, segurança e economia, economia da sociedade que em última instância, é quem paga os prejuízos de quem arrisca mover sua "felicidade" "a álcool".


Somos um país onde a televisão tem grande influência sobre os hábitos de considerável parcela da população que praticamente, reproduz o que vê na "telinha". O fim dos anúncios de cigarros foi fundamental para a redução no número de fumantes. A repetitiva exposição à determinada informação, condiciona, induz determinado comportamento. Isso não é nenhuma novidade. Portanto, que tal um "mantra" diferente do que pregam as cervejarias?


Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! ... ... ...


Homem se afogando.


(Postado aqui em 03 de fevereiro de 2011).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

18 comentários:

  1. As pessoas precisam aprender que podemos viver sem algumas coisas e principalmente as que prejudicam a nossa saúde. Uma boa tarde!!

    ResponderExcluir
  2. As pessoas precisam se libertar das induções, dos condicionamentos e cuidar mais do corpo e do espírito. Obrigado pela leitura e pelo comentário.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  3. Temos que apiedar-nos de seres que necessitam de estimulantes para conviverem com os demais ou mesmo para se aguentarem quando sozinhos.
    O bom é vivermos de cara limpa e de alma lavada.
    Gostei do seu espaço.
    Deixo um abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá Malú.

    Infelizmente muitas pessoas se valem de “muletas químicas” por ainda não terem a coragem de interagir com a realidade. Embriagam-se em ilusórias fugas.

    Obrigado por ler e comentar. Volte sempre.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  5. Pois há realmente quem beba muito
    cerveja. Tem um consumo louco!!!
    Vim desejar um Feliz e Santo
    Natal. A si e sua família.
    Bj.
    Irene

    ResponderExcluir
  6. Olá, amigo
    Estou passando para desejar BOAS FESTAS NATALINAS!
    Concordo plenamente, não precisamos de nenhum tipo de drogas pra ser feliz.
    Que tal um porre de amor e solidariedade?
    Beijo na alma
    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  7. Oi Antonio...
    Concordo plenamente "Você não precisa de cerveja para ser feliz"..Não bebo e sou muito feliz...
    ♥ Vim desejar um Ótimo Natal, cheio de alegrias, harmonia e tudo que a nossa caixinha de sonhos nos faz acreditar.Que esse novo ano que se aproxima seja uma porta aberta para novos sonhos, renovações de fé e muita paz para o nosso mundo.
    Que você tenha um

    " Feliz Natal e um maravilhoso Ano Novo "
    Beijos!
    San.... ♥

    ResponderExcluir
  8. Oi querido Antônio,

    Falta de luz, é?
    Apagão total. Já trouxe o material necessário pra consertar a situação. Ora vamos lá.

    Li seu inteligente, e simultaneamente, humorístico texto e faz dó, né?
    Onde estão esses cérebros? Será que não pensam?
    Eu sou, completamente, abstémia.
    A TV não me influencia, até porque vejo muito pouco. Tenho, gosto que ler e escrever. ADORO!

    Acho que já está ficando mais claro, né?

    Desconhecia que os Brasileiros gostavam, assim tanto, de cerveja. Eu nunca provei, mas o cheiro me enoja.

    Sabe, querido amigo, já estou de férias. Estou adorando me levantar a que horas eu bem entender, comer quando apetece, isso é, não ter horários.

    Mas, bebida traz felicidade REAL E DURADOURA?
    Vamos pensar em construir nós próprios, a FELICIDADE, sem artifícios.

    Já há LUZ? Que bom!

    Um beijo bem iluminado da Luz.

    ResponderExcluir
  9. Não digo que PRECISO para ser feliz, mesmo por que bebo uma vez por semana e olhe lá, mas aprecio tomar uma cerveja bem gelada no conforto da minha casa. Mas há quem não goste, e claro que não condeno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto apenas alerta para a problemática da dependência e da indução ao uso. O consumo equilibrado sem abusos que redundem em prejuízo de terceiros, é uma questão individual, opção inquestionável de cada um.

      Obrigado pela participação.

      Excluir
    2. E essa questão da dependência é bem séria, o consumo de álcool vem aumentando bastante entre os jovens a cada dia que passa. É muito triste isso. Abraços.

      Excluir
  10. Hoje é moda ser funkeiro, gay, ladrão, nóia e pingão. É a necessidade de afirmação em ser alguma coisa, aliás, qualquer coisa, só para não ficar por baixo e com cara de Mané. Prefiro ser mais eu do que ficar fazendo pose daquilo que não sou, para impressionar e dar satisfação para os outros.

    ResponderExcluir
  11. Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade! Cerveja não traz felicidade!................

    Olá meu querido Antonio!

    Além de tudo o que você disse em teu importantíssimo texto/alerta, tem a questão do capitalismo selvagem, da indução das empresas, pra vender seus produtos, e a mídia que joga "clichês mentais" para os desprevenidos que abraçam a ideia e se deixam manipular por ela.
    Parabéns , poeta , pelo texto!

    Beijos da Lu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lú.

      Pois é. De um lado, o “vale tudo” para faturar mais e mais. Do outro, gente que busca o “atalho” da fuga química, o anestésico do artificio e da ilusão. Afogam no copo a falta de coragem para encarar e superar os problemas, e assim, muitos naufragam a vida (não raramente, levando consigo outras vidas).

      Um abração e bom final de semana.

      Excluir
  12. Eu também nunca entendi as pessoas que precisam beber para "ficar legal". Sei lá, eu me sinto bem sem precisar disso. Acho que nunca entenderei...

    Concordo com o mantra, mas mudando um pouco para:
    Álcool não traz felicidade... Àlcool não traz felicidade....

    ResponderExcluir
  13. Infelizmente cresce a cada dia o número de pessoas que usam deste artifício para terem uma vida aparentemente feliz, quando na verdade precisam reconhecer que estão em uma situação que requer ajuda para superar esta dependência. POIS A VERDADEIRA ALEGRIA DE VIVER É FRUTO DO ESPÍRITO e esta é para sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mais fácil se embriagar de artificialidade e ilusão, do que buscar dessedentar o espírito. Assim, na busca insana de miragens, vão agendando sofrimentos, desastres e dissabores, que não são alardeados em nenhuma propaganda.

      Obrigado por sua visita e comentário.

      Um abraço.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...