Brevidade, da alvorada ao crepúsculo - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

sábado, 22 de setembro de 2012

 

                    Brevidade, da alvorada ao crepúsculo              

     

Quão breve é um existir humano. Porque perdemos tanta vida desperdiçando o tempo? Hoje e amanhã, presente e futuro...


Antonio Pereira Apon.


Luminária apagada.


Essa vida é breve:

Como um piscar de vaga-lume,

o riscar de cadente estrela,

raio a rasgar o céu qual cortante gume.

O hoje é uma realidade,

o amanhã uma abstração.

O presente uma oportunidade,

o futuro uma suposição.

O agora existe!

O depois?

Talvez!

Porque perdemos tempo,

desperdiçando vida?

Atidos em miragens,

contidos em medos,

entorpecidos por desatinos,

tropeçando e querelas tolas,

implicando, complicando...

Apressados e apreçados,

deixamos os anos escorrerem entre os dedos,

ignorando a finitude desses nossos dias.

Então;

desejamos alvorada,

quando já nos surpreende o crepúsculo.

Almejamos verões e primaveras,

quando já o inverno nos vem regelar.

Como o rio que corre ao pélago,

desaguamos nós no infinito.

Repletos de nossas incompletudes,

cheios de nossos vazios.



   
 
 

6 comentários:

  1. Belo poema existencialista, Antonio. Que saibamos transformar nossos vazios em férteis.
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aprender a preencher positivamente os espaços vazios, é o caminho a trilhar.

      Obrigado Célia.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  2. Olá, Antonio!

    "Cheios de nossos vazios"!
    Lindo! Verdadeiro!
    Disperdiçamos muito tempo de nossa preciosa vida o "nada" a somar, nada a acrescentar!
    Tenha um belo fim de semana!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, o ser humano está cada dia mais transbordante de vazios.

      Obrigado Jossara.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  3. Bom dia meu querido poeta Antonio!

    Ahh...Antonio, disseste tanta verdade nessa linda poesia, de lirismo tocante,nos convocando a refletir sobre a brevidade em que nos encontramos nesse mundo. Vivemos desde a infância, nos distraindo pela adolescência e juventude com os prazeres pra depois, encontrarmos-nos vazios apesar de se ter buscado incessantemente objetivos que nunca nos preencheu o íntimo...Somente no findar do anos, quando a maturidade, e a velhice se nos aconchega aos braços, percebemos que o Tempo, Benção de todos nós, se esvaiu pelos dedos, como areia fina, que tenta-se reter, com amargura. Feliz daquele que soube e sabe aproveitar a benção das horas, vivendo-as plenamente de forma produtiva em todos os sentidos!

    Que o nosso domingo seja de alegrias.

    Bjos meu querido amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felizes mesmo, aqueles que aprenderam o real valor, a preciosidade do tempo. Temos nos iludido, brincado de viver. Mas chega a hora de viver de verdade, de assumir a conta dos nossos desatinos.

      Obrigado Lú.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...