Brevidade, da alvorada ao crepúsculo - A arte da vida. Apon HP

Bom estar com você aqui no A ARTE DA VIDA. APON HP!


Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

Brevidade, da alvorada ao crepúsculo

Publicado em sábado, 22 de setembro de 2012



Quão breve é um existir humano. Porque perdemos tanta vida desperdiçando o tempo? Hoje e amanhã, presente e futuro...


Antonio Pereira Apon.


Luminária apagada.


Essa vida é breve:

Como um piscar de vaga-lume,

o riscar de cadente estrela,

raio a rasgar o céu qual cortante gume.

O hoje é uma realidade,

o amanhã uma abstração.

O presente uma oportunidade,

o futuro uma suposição.

O agora existe!

O depois?

Talvez!

Porque perdemos tempo,

desperdiçando vida?

Atidos em miragens,

contidos em medos,

entorpecidos por desatinos,

tropeçando e querelas tolas,

implicando, complicando...

Apressados e apreçados,

deixamos os anos escorrerem entre os dedos,

ignorando a finitude desses nossos dias.

Então;

desejamos alvorada,

quando já nos surpreende o crepúsculo.

Almejamos verões e primaveras,

quando já o inverno nos vem regelar.

Como o rio que corre ao pélago,

desaguamos nós no infinito.

Repletos de nossas incompletudes,

cheios de nossos vazios.



6 comentários:

  1. Belo poema existencialista, Antonio. Que saibamos transformar nossos vazios em férteis.
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aprender a preencher positivamente os espaços vazios, é o caminho a trilhar.

      Obrigado Célia.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  2. Olá, Antonio!

    "Cheios de nossos vazios"!
    Lindo! Verdadeiro!
    Disperdiçamos muito tempo de nossa preciosa vida o "nada" a somar, nada a acrescentar!
    Tenha um belo fim de semana!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, o ser humano está cada dia mais transbordante de vazios.

      Obrigado Jossara.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  3. Bom dia meu querido poeta Antonio!

    Ahh...Antonio, disseste tanta verdade nessa linda poesia, de lirismo tocante,nos convocando a refletir sobre a brevidade em que nos encontramos nesse mundo. Vivemos desde a infância, nos distraindo pela adolescência e juventude com os prazeres pra depois, encontrarmos-nos vazios apesar de se ter buscado incessantemente objetivos que nunca nos preencheu o íntimo...Somente no findar do anos, quando a maturidade, e a velhice se nos aconchega aos braços, percebemos que o Tempo, Benção de todos nós, se esvaiu pelos dedos, como areia fina, que tenta-se reter, com amargura. Feliz daquele que soube e sabe aproveitar a benção das horas, vivendo-as plenamente de forma produtiva em todos os sentidos!

    Que o nosso domingo seja de alegrias.

    Bjos meu querido amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felizes mesmo, aqueles que aprenderam o real valor, a preciosidade do tempo. Temos nos iludido, brincado de viver. Mas chega a hora de viver de verdade, de assumir a conta dos nossos desatinos.

      Obrigado Lú.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.





Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..



Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM