Rotinas - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Pensamento do dia:





Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

 

                    Rotinas              

     

... disso, poucos sabem, quase ninguém viu. Rotina imposta, perdem a proposta de um viver melhor, sem tanta pressa e tanto preço, mais apreço por si, redescobrir o endereço do seu eu. Rotinas paralelas, tão perpendiculares...


Antonio Pereira Apon.



Impressão, nascer do sol, pintura de Claude Monet.


Antemanhã no prelúdio do dia, prenunciando a alegria de pássaros a cantar; alvorada, murmúrio de mar na cadência das ondas e a poesia de um novo dia que ensaia raiar. Rotina proposta de possibilidades repleta, arte da vida para o melhor despertar.


Mas…


O caminhão do lixo estupra a madrugada, devorando o silêncio, com sua bocarra fétida, arreganhada espalhando seu hálito chorumento. Garis dependurados na sorte, equilibrados na insalubre boca da morte. Sonos violentados, sonhos deflorados; acordar antecipado, precipitado, ditado pela falta de noção da sujeira da “limpeza pública”.


Nos jornais, tanta desgraça, farta falta de graça da insanidade geral. Amarga o café, o pão que a realidade amassou. Velhas “novidades” furtando a calma, despertando a pressa que à vida apreça e nos vem apressar.


Trânsito louco, esquizofrênicos engarrafamentos, esvair do tempo entre o nada e lugar nenhum. Qualidade de vida em stand by, estressada, subjugada; agônica espera da desrazão, desarrazoada penitência do ir e vir. Assaltos sem conta, insegurança a afrontar; A polícia “enxuga gelo”, até prende! Mas a justiça(?) a soltar.


Já cansado, o cidadão enfrenta a lida, por uma paga menor que o mês. Farta faltar, sobra não ter e não poder reclamar.


No fim do dia, reprisada agonia para em casa chegar. Rotina imposta, questões sem resposta a atordoar.


Lá fora um espetáculo de luzes e cores, crepúsculo fechando o dia, revoada de pássaros a se recolher, lua e estrelas na composição de um até amanhã! Mas disso, poucos sabem, quase ninguém viu. Atidos na rotina imposta, perdem a proposta de um viver melhor. Mais gente e menos autômatos, sem tanta pressa e tanto preço, mais apreço por si, redescobrir o endereço do seu eu. Rotinas paralelas, tão perpendiculares, reversas, diversas… O que fizemos? O que fazemos? O que faremos? Poderemos algum dia escolher?


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

6 comentários:

  1. O que fazemos? O que faremos? Ai como é mesmo desalentador essa rotina imposta!
    Amigo, temos de ter um bom equilíbrio para não perder a fé e o juízo!
    Amei sua postagem, sempre ricas e informativas, com culturas e reflexões!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valores mais humanos para sobrepor os desvalores consumistas, acordar para a realidade da vida. Fé sempre, equilíbrio e esperança constantes.

      Um abraço.

      Excluir
  2. Rotinas consumistas de vida, de espaço, de amor, de vivências com o bem e a felicidade! Isso tudo nos degenera como humanos que somos... e, assim, deveríamos agir! Feliz sua mensagem introspectiva, Antonio!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miragens, ilusões consumistas, fazendo o vão intento de preencher com o ter o vazio do ser. Assim, fica-se escravo dessa tonta rotina torta.

      Um abraço.

      Excluir
  3. Tonico, meu lindo!

    Esqueceu de mim. Foi? Não me enviou a "carta" do costume. E "nois" de "casamento marcado" e tudo (rsssssssssssssss). Tá postando pra caramba (rs), você!

    Um texto muito realista e muito bem escrito, como é teu apanágio. Conseguiste nos dar uma imagem do dia, inteirinho e de suas "atividades", lentas e/ou aceleradas. Sabes, António, eu detesto a rotina, mas "amo-a". Vá lá uma pessoa entender esta minha atitude!

    Vou almoçar. És servido? Canja de galinha? "Curte"?

    Bises, mon chéri (não se aflija (rs), pke é nome de chocolate, também, como já te falei, creio, que uma vez).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tem dois dias que lembro e termino esquecendo de mandar o link, deve ser coisa desses meus vinte e poucos anos. Kkkkk...

      Não tenho postado muito não, é que entre duas postagens novas, tenho selecionado e intercalado umas antigas.

      A rotina é necessária, o problema é o tipo de rotina que nos impomos ou permitimos que nos imponham. Temos que ter tempo para ter tempo, fora dessa ciranda louca dessa dita modernidade.

      Obrigado, mas não gosto de frango, carne vermelha como pouco, peixe, só bacalhau e sardinha. Não conheço ninguém mais chato para o lado de comida. Se tiver feijão, arroz e salada, para mim está bom. Chocolate eu adoro.

      Um abraço e bom fim de semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...