Dia dos pais. José do Sapateiro - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Pensamento do dia:





Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

domingo, 12 de agosto de 2018

 

                    Dia dos pais. José do Sapateiro              

     

... entre tantos brinquedos feitos pelo pai, que com elásticos, borrachas e o que tivesse à mão, engendrava mecanismos para dar algum movimento às fantasias do filho, que encontrava encantamentos nas invencionices paternas...


Antonio Pereira Apon.


O Sapateiro, pintura de David Fulton.


Aquele menino era filho de um pobre sapateiro e uma empregada doméstica. Aos sete anos, perdeu a sua genitora, cabendo ao velho José, fazer as vezes de pai e mãe. Um grande exemplo de “pãe”.


Prestimoso e esmerado, seu José fazia por seu filho, tudo o que estava dentro de suas possibilidades, ensinando ao menino desde cedo, que precisava viver dentro das condições que tinham, esforçando-se sempre em busca do melhor. Consciente, o velho sapateiro, não era desses pais que arrotam sandices do tipo: “Vou dar ao meu filho tudo o que eu não pude ter”. Assim, Zezinho, logo aprendeu uma antiga lição, a de não colocar chapéu onde a mão não pudesse alcançar. Não encontrou facilidades, não teve brinquedos caros nem pôde frequentar caras escolas, mas, recebeu vastas lições de honradez e dignidade, ética e perseverança, humildade e determinação, proatividade e responsabilidade, valores…


Adorava seus carrinhos de lata de óleo de soja com rodas de carretel de linha, os de sobras de madeira, entre tantos brinquedos feitos pelo pai, que com elásticos, borrachas e o que tivesse à mão, engendrava mecanismos para dar algum movimento às fantasias do filho, que encontrava encantamentos nas invencionices paternas.


Ajudava o pai na sapataria, fazia pequenos serviços para os vizinhos, sem prejuízo à diversão e o estudo. Com o que o sábio José não transigia. Pai presente e interessado, vez por outra, dava uma incerta na escola para ver como andava o filho, acompanhava, cobrava, cumpria o seu papel.


Certo natal, o menino manifestou o desejo de ter um smartfone, nem era um desses tops de linha, mas, o pai não tinha como comprar. Então lhe deu um desses cofrinhos de plástico em forma de porquinho e propôs ao filho que fosse juntando durante aquele ano as moedas de um real e cinquenta centavos que conseguisse. E se até o natal seguinte, não acumulasse o suficiente ele completaria. Não só o bastante. O rapaz juntou até para também comprar o seu primeiro presente para o velho pai.


Zezinho cresceu, compenetrou-se José e com muito esforço formou-se advogado, prosperou, abriu uma fábrica de calçados e além do nome que o pai lhe deu, adotou como sobrenome o ofício do genitor. Gostava de ser chamado: José do Sapateiro, como ficou conhecido desde a adolescência.



   
 
 

10 comentários:

  1. Boa tarde:-Por muito simples que sejam, não existem melhores e mais sábios, que os conselhos de Pai ( e mãe)
    .
    * Versos Poéticos de Amor ( Poetizando e Encantando ) *
    .
    Votos de um domingo muito feliz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Casa dos pais, escola dos filhos", diz o ditado que vem caíndo em desuso. Infelizmente!

      Um abraço e um bom fim de semana.

      Excluir
  2. Bom dia querido amigo poeta sensível Antonio!
    Que lindo texto, emocionante, me transportou ao meu tempo de criança e a alegria de também ter tido uma educação assim, de reconhecimento dos verdadeiros valores da vida!
    Conselhos dos pais, os que amam seus filhos de verdade e sempre presente em suas vidas!
    Amei ler, deixo aqui um feliz Dia dos Pais!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pena que muitos pais de hoje estejam abdicando do seu papel de educadores dos filhos, terceirizando e se limitando a meros mantenedores, "paitrocinadores" de uma vida de relações coisificadas.

      Um abraço e um bom fim de semana.

      Excluir
  3. Oi, menino Tonico!

    Tu, de noite, escreves ainda melhor. Acho k tinhas o coração cheio de mel -rs e então, escrita pra k te quero!

    Adorei a tua história, a tua prosa e a mensagem k ela encerra. Já não temos Zezinhos, desse jeito, ou se temos, temos mto, mto poucos.

    Assim é k se transmitem os valores e se ensina a criança a ir conseguindo obter, step by step, aquelas "coisinhas" de k todos gostam e k os pais, por ser acessório, não podem ou não pretendem dar para não criar na criança compulsividade nas compras.

    Embora, eu tivesse uma infância mto feliz e com bastantes brinquedos, preferia escutar histórias, k meu avô me contava ao serão, passear de burro com as perninhas ou para o lado dto do dorso do animal, ou para o lado esquerdo (menina era diferente de Menino ao moinar o burro, assim me dizia meu avô), roupa nova, k a costureira k minha tia Rita, k não tinha filhos, contratou para fazer costura lá em casa, ajudando a mocinha, economicamente, cantar fado e dançar como as ciganas, exibindo-me para a família e amigos.

    O Zezinho se tornou advogado com seu esforço e de seu pai. Ser chamado "José do saapteiro" era uma forma terna e agradecida a seu amado pai.

    FELIZ E AGRADÁVEL DIA DOS PAIS. PERDESTE O TEU BEM CEDO. ENTENDO O QUE ESSE DIA SIGNIFICA PARA TI.

    Abraço extensivo a ambos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prefiro escrever pior e dormir melhor. Rs rs rs...

      A família vem abrindo mão do seu papel, perdendo suas histórias e ternura. Muito por culpa dos próprios pais, escasseiam os zezinhos e abundam filhos problemáticos, melindrosos e sem noção. Assim, vai se consolidando uma sociedade vazia, transbordante de desvalores, psicótica, neurótica, dementada mesmo.

      https://www.youtube.com/watch?v=sfixHYBWaiU

      😚

      Excluir
    2. Sim, concordo.

      Sem dúvida alguma.

      Gostei da canção: pais e filhos não se entendem.

      Abracinho.

      Excluir
    3. Cada dia mais desentendimentos, conflitos... Precisamos arrumar a casa, resgatar a família...

      Excluir
  4. Boa noite. Todos os elogios ou Homenagens são merecidas para quem ainda tem Pai. Parabéns!!

    Beijos-Boa noite!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vivas para todos os pais! Os encarnados e os que já passaram para o outro lado da vida.

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...