Eu te amo. Mas, de verdade              

em domingo, 27 de janeiro de 2019



... “eu te amo, apequenou-se reduzido a um bordão de novela, um clichê, frase de efeito; mais um “fake News entre tantas “verdades alternativas””. Um “cheat”, truque para avançar no “game” do desejo...


Antonio Pereira Apon.


Romeu e Julieta, pintura de Ford Madox Brown.


Com o passar dos anos, algumas palavras ou expressões, parecem que vão perdendo a essência, a força, a razão; vão se diluindo, “desmilinguindo”, se desfazendo... Na “vibe” desses tempos, em que os relacionamentos se tornam cada vez mais fluidos, efêmeros e descartáveis. Quando, ficar, “dessignifica” em não ficar. O desgastado e tão esvaziado de sentido: “eu te amo, apequenou-se reduzido a um bordão de novela, um clichê, frase de efeito; mais um “fake News entre tantas “verdades alternativas””. Um “cheat”, truque para avançar no “game” do desejo fugaz, da sedução volátil e vazia, sob o império das sensações vadias e insustentáveis.


O “eu te amo”, se perdeu no desencontro do sentir customizado pelas mídias, formatado pelo modismo da vez; condicionado, estereotipado, degradado em desinteressantes interesses. Simulacro de afeto, artificiosa emoção, caricato querer.


Eu te amo. Mas, de verdade.




11 comentários:

  1. Boa tarde!
    Muito bem, Acho que essa palavra já se diz em vão. Ou seja, é realmente muito mal aplicada quando ao sentimento! Digo eu...

    Beijos e um Bom Domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se desvirtuou, banalizou; se perdeu do sentido e do sentimento.

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
  2. Verdade, Tonico - rsrs?

    Tens toda a razão: A expressão "eu te amo", k só deveria ser dita com toda a consciência e certeza, virou banalidade e em qualquer altura do dia ou da noite -rs, se diz e se ouve a expressão, que agrada muito, claro, restando contudo saber se é algo sério, total e para sempre, enquanto se sentir.

    Gostei mto do quadro "Romeu e Julieta". Esses sim se amaram até à morte.

    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A expressão se vulgarizou, tornou-se piegas e trivial. Relativizada, perdeu o sentido e o sentimento, esvaziou-se sem porque.

      https://www.youtube.com/watch?v=fNB7OdyX3_g

      No vídeo acima, foi enxertado um pouco de Tom Jobim. Abaixo, a letra de: Certas coisas:

      Certas coisas


      Não existiria som
      Se não houvesse o silêncio
      Não haveria luz
      Se não fosse a escuridão
      A vida é mesmo assim
      Dia e noite, não e sim
      Cada voz que canta o amor não diz
      Tudo o que quer dizer
      Tudo o que cala fala
      Mais alto ao coração
      Silenciosamente eu te falo com paixão
      Eu te amo calado
      Como quem ouve uma sinfonia
      De silêncios e de luz
      Nós somos medo e desejo
      Somos feitos de silêncio e som
      Tem certas coisas que eu não sei dizer
      Silenciosamente eu te falo com paixão
      Eu te amo calado
      Como quem ouve uma sinfonia
      De silêncios e de luz
      Nós somos medo e desejo
      Somos feitos de silêncio e som
      Tem certas coisas que eu não sei dizer e digo
      Compositores: Luiz Santos / Nelson Motta

      Um abraço e boa semana.

      Excluir
    2. Tão linda a letra dessa canção e tão bem interpretada! Adorei.

      Beijos, Tonico!

      Excluir
    3. Lindíssima! Um verdadeiro poema cantado.

      Um abraço. Inté!

      Excluir
  3. RITA GUERRA - SECRETAMENTE

    https://youtu.be/FOZJCH6EN9Q

    ResponderExcluir


  4. SECRETAMENTE-RITA GUERRA

    Passo por ti
    Tu nem me vês
    Só mais um dia
    Amanhã talvez

    E fico à espera
    De ver em ti
    O sentimento
    Que trago dentro de mim

    Mas eu só posso imaginar
    O que podia ser
    Se eu te pudesse abraçar
    Se eu te pudesse ter

    Secretamente
    À espera de um gesto, de um sinal
    Secretamente
    Tentando saber se dás por mim, afinal
    Secretamente
    À procura de um toque, de um olhar
    Secretamente
    Tentando saber
    Se algum dia os nossos mundos se irão cruzar

    Qual o caminho
    Que irá dar, a esse teu mundo
    Onde eu queria entrar.
    E tantas vezes, eu já sorri
    Só por lembrar-me
    Só por pensar em ti

    E eu só posso imaginar
    O que podia ser
    Se eu te pudesse abraçar
    Se eu te pudesse ter.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bela voz, bela canção. O "se" do sentir, o "ser ou não ser" do amor. Muito bom!

      Inté!

      Excluir
  5. Tudo depende dos contextos...
    O melhor é, mesmo, provar do que dizer...
    Ótima semana, António.
    Um beijo amigo.
    ~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza. Vivenciar vale mais que o mero falar. "quem tem boca, diz o que quer".

      Um abraço. Tudo de bom.
      Minério, represa… Resolver? Não convêm!

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.






Fale conosco:




Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!



Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...


Topo