Palavreando              

em terça-feira, 12 de março de 2019



... Sigo tropeçando nas palavras, ditas ou caladas; no automatismo das horas, no compulsório fluxo dos dias, na sentença do tempo… Palavras natimortas; “desescritas”, “desfaladas”, desfalecidas palavras...


Antonio Pereira Apon.


A Persistência da Memória, pintura de Salvador Dalí


O que digo, nada diz.
O que calo, fala por mim.
Palavras a mais,
palavras a menos,
palavras...
Sigo tropeçando nas palavras, ditas ou caladas;
no automatismo das horas,
no compulsório fluxo dos dias,
na sentença do tempo…
Palavras natimortas;
“desescritas”,
“desfaladas”,
desfalecidas palavras.
Silentes gritos;
trancados,
mal guardados.
Sentimentos,
pensamentos...
Ecos sem eco,
mudo e tão rumoroso palavrear.




6 comentários:

  1. Bom dia. Parabéns por mais um maravilhoso poema:))

    Hoje:- Caminhos da ilusão...

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira.

    ResponderExcluir
  2. Olá, querido Tonico!

    Um excelente poema, que talvez nos indique como está teu eu-lírico.

    As palavras são vida, são grito e chamada de atenção para todos. Com elas nos deveríamos entender e chegar a bom porto, mas, casos há, em que elas não são usadas, as pessoas preferem a mudez, talvez porque se falarem, não serão compreendidas e atendidas. Esse procedimento é incorreto e traduz receio, a meu ver.

    É muito importante pai e mãe falarem com os filhos, mesmo que os progenitores estejam divorciados. Filho ou filha não devem tomar partido, nem por um, nem por outro. Devem saber ver e entender os dois lados e não interferir, nem influenciar nenhum deles. Os pais não devem ter receio das reações os filhos, qdo decidem algo, que vai contribuir para a felicidade deles. Tal como são os filhos ou filhas, que escolhem seus parceiros, em termos amorosos, assim devem eles deixar que os pais façam o mesmo, pois os pais têm direito à felicidade.

    Que nenhuma filha se julgue RAINHA OU DONA DA CASA de seus pais, antes, aconselho a que ajeite e limpe a casa, caso o pai trabalhe ou por algum problema não o possa fazer.
    Que nenhum filho se julgue REI E SENHOR da casa de seus pais. Deve ajudar na divisão de tarefas, no acompanhamento e na sã convivência.

    Que nenhum filho ou filha alegue que tem que estudar e que não pode fazer faxina, arrumar tudo direitinho na casa e limpar banheiro, cozinha e seu cômodo. As mãos se fizeram para várias tarefas e viver no meio do "lixo" não é salutar, como ele ou ela devem saber.

    No amor, pai ou mãe têm direito a serem felizes, escolhendo os seus parceiros sentimentais. Filha ou filho não devem atirar bitaites. Podem sugerir, aconselhar, no mínimo.

    Quem ama, deve revelar seus sentimentos sem medo do NÃO do outro.Se vier o NÃO de uma parte, não morre ninguém lá por isso, mas se definam. Se vier o sim, tanto melhor, é a felicidade à vista. O k acabo de escrever, tanto se aplica ao mulher, qto ao homem, logicamente.

    Gostei da pintura de Dali, "Persistência da Memória". É isso! Há que ter memória e que ela persista, pke hoje é você, amanhã, posso ser eu.

    Beijos e um big abraço.

    PS: é isso aí, Tonico! Não acredite em palavras, palavras, como diz a canção de Dalida "paroles, paroles, paroles".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Soltou o palavreado. Rs rs rs... De fato, as coisas devem ser ditas, reveladas, declaradas e resolvidas. O silêncio, às vezes necessário, não deve se delongar. Palavras dão vida a sentires e pensares.

      https://www.youtube.com/watch?v=YpQK5oGlRqg

      Palavras ao Vento
      Cássia Eller

      Ando por aí querendo te encontrar
      Em cada esquina paro em cada olhar
      Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar
      Que o nosso amor pra sempre viva
      Minha dádiva
      Quero poder jurar que essa paixão jamais será
      Palavras apenas
      Palavras pequenas
      Palavras
      Ando por aí querendo te encontrar
      Em cada esquina paro em cada olhar
      Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar
      Que o nosso amor pra sempre viva
      Minha dádiva
      Quero poder jurar que essa paixão jamais será
      Palavras apenas
      Palavras pequenas
      Palavras, momento
      Palavras, palavras
      Palavras, palavras
      Palavras ao vento
      Ando por aí querendo te encontrar
      Em cada esquina paro em cada olhar
      Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar
      Que o nosso amor pra sempre viva
      Minha dádiva
      Quero poder jurar que essa paixão jamais será
      Palavras apenas
      Palavras pequenas
      Palavras, momento
      Palavras, palavras
      Palavras, palavras
      Palavras ao vento
      Palavras apenas
      Apenas palavras pequenas
      Palavras
      Compositores: Antonio Pires / Marisa De Azevedo Monte


      Um abraço.

      Excluir
    2. Todos queremos, penso eu, que o amor, os sentimentos não sejam apenas palavras, desejamos a concretização dos mesmos, mas isso depende do outro(a). Um, ansioso, por tornar real aquilo que se palavreia e o outro(a), continua escrevendo e falando palavras. E que impasse!

      Não gostei lá muito da interpretação de Cassia Eller, ou melhor, do tom da voz dela, mas achei o poema muito significativo.

      Beijos, Tonico!

      Excluir
    3. O amor precisa viver para além das palavras, transcender à poesia na parceria do sentir.

      Inté!

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.







Fale conosco:




Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!



Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...


Topo