O pacote de jujubas



… ninguém está aqui por acaso, cada um de nós tem a sua importância, o seu momento de fazer a diferença. Não dê ouvidos às ofensas, não se permita desestimular. Muitas vezes, por ignorância, maldade, inveja, medo... Algumas pessoas sentem-se incomodadas com o desconhecido...

Antonio Pereira Apon.


Jujubas.

Tudo começou, quando um pacote de jujubas, foi colocado dentro de uma caixa de primeiros socorros: O álcool absoluto fez um discurso hostil e inflamado contra aquela presença insólita. Indignado, o termômetro elevava a temperatura enquanto o esparadrapo e a gaze aderiam aos impropérios cortantes da tesoura. O anticéptico cobrava a pureza dos elementos daquela caixa, que não poderiam estar misturados com "aquela coisa" doce e açucarada. Já os comprimidos, reclamavam do espalhafato daquelas "bolotas coloridas," fazendo coro com as críticas arrotadas pelo sal de frutas .


Assim, isoladas em um canto, as jujubas "assistiam" os dias passarem, mantendo-se em silêncio, apesar dos ataques e ofensas recebidos. Certo dia, a caixa foi levada para o carro, a família estava "pegando a estrada"... Presos num enorme e inesperado engarrafamento, após duas horas sob o sol "berimbalesco" da Bahia, um garoto começou a passar mal: estava lívido, suava frio... A mãe abriu nossa já conhecida caixa de primeiros socorros. Levantada a tampa, lá estavam todos de prontidão para prestar seus prestimosos serviços. Com grande estupefação, viram duas jujubas serem retiradas do pacote e dadas ao menino, que sendo diabético, naquele momento estava com hipoglicemia.


Na vida, como naquela caixinha, ninguém está aqui por acaso, cada um de nós tem a sua importância, o seu momento de fazer a diferença. Não dê ouvidos às ofensas, não se permita desestimular. Muitas vezes, por ignorância, maldade, inveja, medo... Algumas pessoas sentem-se incomodadas com o desconhecido ou, ensimesmadas pela vaidade e o orgulho, tornam-se refratárias ao novo. Faça a sua parte, siga em frente, lembre-se das jujubas!



(Postado aqui em 13 de junho de 2008)


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Olá,passei p/ deixar o meu abraço e dizer que gostei das postagens que li. Abç

    ResponderExcluir
  2. É assim mesmo ? Temos que ouvi, as reclamações e arrotarmos as babozeiras ?
    Um texto inteligente.
    Parabens, mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Quem diria hein? Simples e outrora desprezadas jujubas tornaram-se salva-vidas! As incertezas da vida e na vida sempre nos cobram atitudes em que não há tempo a refletir. É agir! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia José!

    Pois é, ter consciência de sua importância e não dar ouvidos ao que falam as más línguas. Como diz o velho ditado: “Os cães ladram e a caravana passa”.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Célia!

    Cada um tem a sua importância, todos merecem respeito e o preconceito é um péssimo conselheiro.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  6. Seus textos são muito bem curados e o acompanhamento musical escolhido para este ficou perfeito,grande abraço e parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Olá Bergilde!

    Obrigado pela visita. Também gostei muito do seu Blog.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  8. Não sei que dizer...
    Penso que foi tudo dito.
    Quantos de nós já não fomos jujubas dentro de uma caixa qualquer?!
    Infelizmente somos inferiorizados porque não temos posição, não temos um curso, não nos apresentamos da mesma forma que o resto da sociedade...mas, como gente que somos, mais dia menos dia, chega a nossa hora de dar o nosso contributo à sociedade...
    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde Ana!

    Um grande defeito é julgar pelas aparências ou com olhar preconceituoso o que nem se deu ao trabalho de procurar conhecer. Todos tem sua importância.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  10. Ai que texto incrível Antonio, criativo, ilustrativo, surpreendente.

    Adorei. Você é muito talentoso!

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá Antonio!

    Obrigado! Te seguindo!
    Gostei muito do que vi por aqui!
    Parabéns!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Um belíssimo texto Antônio!!
    Assim que precisamos pensar e agir.
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Bom dia Van!

    Com tantos adjetivos, sou obrigado a por de lado a modéstia e acreditar que meu texto é substantivo.

    Rs rs rs...

    Obrigado e um abração.

    ResponderExcluir
  14. Olá Carla!

    Pois é. Respeitar sempre os outros.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  15. Querido amigo,

    Grande texto! Adorei ( e adoro jujubas também rsrs, Meu apelido é: jujuba! hahahahaha)


    Beijos com carinho

    ResponderExcluir
  16. Gente, você escreve bem demais,muito boa a construção para nos mostrar as voltas que a vida dá e a importancia de cada um nela.

    Beijos,
    Jú!

    ResponderExcluir
  17. Olá Jujuba! Ou melhor: Desnuda!

    Um abração querida amiga.

    ResponderExcluir
  18. Olá Juliana!

    Vocês hoje estão um exagero só. Vou terminar obeso e convencido, com tantos elogios. Rs rs rs...

    Um abração.

    ResponderExcluir
  19. Nossa adorei esse texto Antonio. Quando vi "o pacote de jujubas" no ocioso, nem fiquei curioso para saber o q era. Mas resolvi abrir mesmo, e ainda bem que abri. Depois de ler, posso dizer que já comecei meu dia com o pé direito!
    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado a você Pedro. Viu como as aparências enganam?

      Um abração e bom final de semana.

      Excluir
  20. Respostas
    1. Eu é que adorei sua visita Ana. Obrigado pela divulgação no Twitter.

      Um abração e bom final de semana.

      Excluir
  21. Respostas
    1. Obrigado Lilian. Volte sempre.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Dia internacional da mulher

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Você tem fé? Ou…

Aposentadoria póstuma. Uma reforma de morrer