Duelo das palavras - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

sábado, 3 de novembro de 2018

 

                    Duelo das palavras              

     

... a língua engatilhada, com o dedo em riste; desalmados e tão desamados, armados, miram. Franco-atiradores, terroristas, guerrilheiros, snipers, levianos, aventureiros, duelistas! Do outro lado o revide, tiros de maior calibre e menor calão, palavrão...


Antonio Pereira Apon.


O-homem-ferido, pintura de Gustave Courbet.


Saca do coldre a palavra,

dispara, atira;

fere, machuca, maltrata...

A palavra alveja,

vara o alvo com dor e sem dó.

Cada qual com seu porte de palavra,

com a língua engatilhada,

com o dedo em riste;

desalmados e tão desamados,

armados, miram.

Franco-atiradores, terroristas, guerrilheiros,

snipers, levianos, aventureiros,

duelistas!

Do outro lado o revide,

tiros de maior calibre e menor calão,

palavrão!

Adjetivos pejorativos,

substantivos abjetos,

obscena munição.

E na refrega verborrágica

finda a trágica “argumentação”.

Entre mortos e feridos,

nenhum vencedor;

sucumbem todos!

Jazem silentes,

despalavrados,

sumariamente, desarmados;

deliberada e voluntariamente derrotados.




   
 
 

12 comentários:

  1. Mas que o que é isso? O homi tá sonhando e pensa k tá na guerra.
    Quantos você já "matou", Tonico -rs?

    Caramba, homi gosta mto de filmes e séries de ação, vendo uns tombar, outras matar. Que tiroteio mental!

    O poema está mto bem feito e guerrilheiro, mas te ponho a seguinte questão: e se tu fizesses amor, em vez de guerra?

    O vídeo é faroeste puro. Nossa! Tôu de olhos vendados -rs.

    Beijinhos, ai, não, te quero bem longe de mim -rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a arma da palavra, ou melhor, a palavra sendo usada como arma, ferindo, machucando, matando... Quando a palavra, bem usada, pode e deve construir, elevar, melhorar... Conduzir cada um ao amar. Precisamos, de fato, acabar com esse faroeste verbal da vida hodierna, escutar e fazer eco das palavras silentes que inspiram e enobrecem.

      Aqui um duelo de palavras criativo, embolada e repente na cultura nordestina:

      https://www.youtube.com/watch?v=Nf8SqHWeAiE

      Um abraço bem apalavrado.

      Excluir
    2. As palavras ferem mais, por vezes, que "armas", mas nós queremos palavras sinceras e bem usadas.

      Escutei o vídeo aos pulinhos -49 minutos, pke isso é o k em Portugal se chama de desgarrada, ou seja, um canta ou fala e outro responde, de forma graciosa, e se possível de maneira mais inteligente.

      Bom domingo com boas palavras.

      Excluir
    3. Palavras de amor, amizade, esperança; construtivas, salutares, inspiradoras... Enfim, palavras. Não armas.

      Um abraço desgarrado.

      Excluir
    4. Paroles, paroles, paroles (palavras, palavras, palavras)-rs.

      Merci beaucoup.

      Excluir
  2. Oi, Tonico!

    Tentei um vídeo, mas se encontra indisponível. Desculpa! Podes eliminar a frase "Este comentário foi removido pelo autor". Acho k ficando essa frase, o blog fica feio, esteticamente. Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Palavras para o bem, não para duelar, não como armas.

      Um abraço. Tudo de bom.
      😎Vida, sonho. Garrafa ao mar.

      Excluir
  4. A palavra duelo, o termo duelistas... Cabem tão bem numa poesia. Diferente da realidade, não é mesmo?

    Como diria um outro poeta... na realidade, tudo arde.

    juliamodelodemodelo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso. Na verdade, precisamos calar duelos para construir diálogos. Resgatar a palavra como instrumento de comunicação, não uma arma sem noção.

      Um abraço. Tudo de bom.
      😔 Mata quem desmata.

      Excluir
  5. Muito, muito bom.
    É mesmo assim, em duelo acaba por terminar numa enorme peixeirada.
    Gostei muito, António.
    ~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É preciso fazer valer a força do argumento e não o argumento da força.

      Um abraço. Tudo de bom.
      💗 Vasto jardim, o coração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...