Navegar, viver... “Toca o barco!”              

em quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019



... não tardemos nas distrações, não percamos tempo com coisas pequenas, bagatelas e tantas questiúnculas pueris e desnecessárias... Navegue já o seu melhor. E, como dizia o saudoso jornalista, Ricardo Boechat, o qual ouvi nas manhãs de tantos anos: “Toca o barco!”


Antonio Pereira Apon.


Barco navegando ao entardecer.


Muitos estranham, não compreendem a antiga frase: “navegar é preciso, viver não é preciso”, adotada pelo infante D. Henrique, como lema da "Escola de Sagres". Celebrizada pela poesia de Fernando Pessoa, a lendária frase foi originalmente proferida pelo general romano, Pompeu: "Navegar neceasse; viver e non est neceasse".


Aqui, a palavra “preciso”, aparece como um Homônimo perfeito, ou seja, tem a mesma grafia, o mesmo som, mas, com significados diferentes. Primeiro no sentido de necessidade, depois referindo-se à precisão, exatidão. Assim, é necessário navegar no mar da vida, enfrentar as tormentas, afrontar as dificuldades, aproveitar o hoje, o instante presente; pois o momento seguinte, o amanhã é impreciso, inexato, pode não acontecer...


Refletindo sobre as tragédias individuais e coletivas que temos assistido amiúde, somos confrontados com a transitoriedade da vida terrena e a iminente necessidade de buscarmos nosso melhor, navegando cada instante com a preciosidade que merece a oportunidade de estar aqui. Preciso é navegar, assumir o timão do agora, o futuro, é impreciso.


Como no Poema de Fernando Pessoa:


"Navegar é preciso; viver não é preciso."


Quero para mim o espírito desta frase, transformada

A forma para a casar com o que eu sou: Viver não

É necessário; o que é necessário é criar.


Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.

Só quero torná-la grande, ainda que para isso

Tenha de ser o meu corpo e a minha alma a lenha desse fogo.


Só quero torná-la de toda a humanidade; ainda que para isso

Tenha de a perder como minha.


Cada vez mais assim penso. Cada vez mais ponho

Na essência anímica do meu sangue o propósito

Impessoal de engrandecer a pátria e contribuir

Para a evolução da humanidade.


É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.


Sem aviso, sem “estarmos prontos”, assim, de repente; a navegação é finda, a imprecisão do viver nos convida a desembarcar dessa vida. Portanto, não tardemos nas distrações, não percamos tempo com coisas pequenas, bagatelas e tantas questiúnculas pueris e desnecessárias... Navegue já o seu melhor. E, como dizia o saudoso jornalista, Ricardo Boechat, o qual ouvi nas manhãs de tantos anos: “Toca o barco!”




13 comentários:

  1. Bom dia, amigo Antônio!
    Tocando o barco e me libertando à medida do possível que me deter em bagatelas...
    Isso mesmo!
    Era um dos locutores preferidos da família.
    Naveguemos na paz do 💙.
    Hoje, por estarmos de luto familiar, meditando sobre essa surpresa da irmã morte que nos cai tão bem... viver até o fim.
    Felicidades e bênçãos para você!
    Abraços fraternos de paz e bem
    🙏🙏🙏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos todos aqui de passagem. Toquemos nosso barco! Naveguemos o melhor possível, aproveitemos a dádiva de cada instante, pois, não sabemos a hora do desembarque.

      https://www.youtube.com/watch?v=CwppKJjYReA

      Um abraço. Tudo de bom.
      💙 Quem nasceu primeiro? O homem? Ou a mulher?

      Excluir
  2. Querido amigo poeta Antonio, bem escolhido o poema, sou fã dos poemas de Fernando Pessoa, acho que ele tinha um dom, um lindp dom.
    Assim como o jornalista amado, eu adorava ver seus comentários inteligentes, nada decorado, nem lia o que tinha de dizer.
    Chorar sua partida, eis o que todos nós que o admiravamos estamos fazendo, mas ele, com certeza foi na paz, na paz da alma que fez tudo o que pode para realizar seus intentos por aqui.
    Toquemos nosso barco, cada dia ao seu dia, hoje, aqui e agora é o que há!
    Amei ler aqui, como sempre.
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos navegando, tocando o nosso barquinho pois a vida não para até que chegue a hora do desembarque. Uns mais cedo, outros mais tarde, esse o inexorável destino do nosso navegar.

      Um abraço. Tudo de bom.
      💙 Titanomaquia, o bafafá dos deuses.

      Excluir
  3. Oi, Tonico!

    Um texto mto inteligente e realista.

    O Infante D. Henrique era um homem mto visionário e sabia bem o k dizia qdo usava o "preciso". Exatamente, palavras homónimas.

    Fernando Pessoa foi um grande poeta e parece k via para além do corpo, da matéria, mas creio que suas teorias eram um tanto fora do seu tempo, um pouco loucas, e foi preciso criar heterónimos para se fazer ouvir e dividir. Às vezes, o não entendo.

    Vamos vivendo um dia de cada vez, pke ninguém sabe qdo findarão nossos dias.

    Bisous.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Navegando sempre, como é preciso, enfrentando a imprecisão da vida, o destino a improvisar surpresas alegres ou tristes. Um poeta do quilate de Pessoa, transcende à percepção vulgar, à compreensão comum.

      https://www.youtube.com/watch?v=_fUMBH9j__E

      Os Argonautas

      O barco, meu coração não aguenta
      Tanta tormenta, alegria
      Meu coração não contenta
      O dia, o marco, meu coração
      O porto, não
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      O barco, noite no céu tão bonito
      Sorriso solto perdido
      Horizonte, madrugada
      O riso, o arco, da madrugada
      O porto, nada
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      O barco, o automóvel brilhante
      O trilho solto, o barulho
      Do meu dente em tua veia
      O sangue, o charco, barulho lento
      O porto, silêncio
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver . . .
      Compositores: Emanoel Viana Teles Caetano Veloso

      Um abraço.

      Excluir
    2. Navegando, caminhando com precisão para que a vida faça sentido.
      Pessoa foi um grande e diversificado poeta, embora eu o não o considere o maior de Portugal.

      Adorei a voz de Bethania e a letra é um must. Linda e bem verdadeira.

      Beijão e bom fim de semana.

      Excluir
    3. Vamos tocando o barco com poesia e música.

      Um fim de semana com tudo de bom. Abração.

      Excluir
  4. Adorei o texto e o poema. Mito sábio. Parabéns:))

    Hoje:- Os meus desígnios

    Bjos
    Votos de uma óptima Quinta - Feira.

    ResponderExcluir
  5. Interesting. Never thought about it before. Although this is my lifestyle. Not knowing this legendary phrase, I lived according to its canons. Never delay for tomorrow. And live for today.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.






Fale conosco:




Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!



Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...


Topo