Navegar, viver... “Toca o barco!”              

em quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019



... não tardemos nas distrações, não percamos tempo com coisas pequenas, bagatelas e tantas questiúnculas pueris e desnecessárias... Navegue já o seu melhor. E, como dizia o saudoso jornalista, Ricardo Boechat, o qual ouvi nas manhãs de tantos anos: “Toca o barco!”


Antonio Pereira Apon.


Barco navegando ao entardecer.


Muitos estranham, não compreendem a antiga frase: “navegar é preciso, viver não é preciso”, adotada pelo infante D. Henrique, como lema da "Escola de Sagres". Celebrizada pela poesia de Fernando Pessoa, a lendária frase foi originalmente proferida pelo general romano, Pompeu: "Navegar neceasse; viver e non est neceasse".


Aqui, a palavra “preciso”, aparece como um Homônimo perfeito, ou seja, tem a mesma grafia, o mesmo som, mas, com significados diferentes. Primeiro no sentido de necessidade, depois referindo-se à precisão, exatidão. Assim, é necessário navegar no mar da vida, enfrentar as tormentas, afrontar as dificuldades, aproveitar o hoje, o instante presente; pois o momento seguinte, o amanhã é impreciso, inexato, pode não acontecer...


Refletindo sobre as tragédias individuais e coletivas que temos assistido amiúde, somos confrontados com a transitoriedade da vida terrena e a iminente necessidade de buscarmos nosso melhor, navegando cada instante com a preciosidade que merece a oportunidade de estar aqui. Preciso é navegar, assumir o timão do agora, o futuro, é impreciso.


Como no Poema de Fernando Pessoa:


"Navegar é preciso; viver não é preciso."


Quero para mim o espírito desta frase, transformada

A forma para a casar com o que eu sou: Viver não

É necessário; o que é necessário é criar.


Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.

Só quero torná-la grande, ainda que para isso

Tenha de ser o meu corpo e a minha alma a lenha desse fogo.


Só quero torná-la de toda a humanidade; ainda que para isso

Tenha de a perder como minha.


Cada vez mais assim penso. Cada vez mais ponho

Na essência anímica do meu sangue o propósito

Impessoal de engrandecer a pátria e contribuir

Para a evolução da humanidade.


É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.


Sem aviso, sem “estarmos prontos”, assim, de repente; a navegação é finda, a imprecisão do viver nos convida a desembarcar dessa vida. Portanto, não tardemos nas distrações, não percamos tempo com coisas pequenas, bagatelas e tantas questiúnculas pueris e desnecessárias... Navegue já o seu melhor. E, como dizia o saudoso jornalista, Ricardo Boechat, o qual ouvi nas manhãs de tantos anos: “Toca o barco!”




15 comentários:

  1. Bom dia, amigo Antônio!
    Tocando o barco e me libertando à medida do possível que me deter em bagatelas...
    Isso mesmo!
    Era um dos locutores preferidos da família.
    Naveguemos na paz do 💙.
    Hoje, por estarmos de luto familiar, meditando sobre essa surpresa da irmã morte que nos cai tão bem... viver até o fim.
    Felicidades e bênçãos para você!
    Abraços fraternos de paz e bem
    🙏🙏🙏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos todos aqui de passagem. Toquemos nosso barco! Naveguemos o melhor possível, aproveitemos a dádiva de cada instante, pois, não sabemos a hora do desembarque.

      https://www.youtube.com/watch?v=CwppKJjYReA

      Um abraço. Tudo de bom.
      💙 Quem nasceu primeiro? O homem? Ou a mulher?

      Excluir
  2. Querido amigo poeta Antonio, bem escolhido o poema, sou fã dos poemas de Fernando Pessoa, acho que ele tinha um dom, um lindp dom.
    Assim como o jornalista amado, eu adorava ver seus comentários inteligentes, nada decorado, nem lia o que tinha de dizer.
    Chorar sua partida, eis o que todos nós que o admiravamos estamos fazendo, mas ele, com certeza foi na paz, na paz da alma que fez tudo o que pode para realizar seus intentos por aqui.
    Toquemos nosso barco, cada dia ao seu dia, hoje, aqui e agora é o que há!
    Amei ler aqui, como sempre.
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos navegando, tocando o nosso barquinho pois a vida não para até que chegue a hora do desembarque. Uns mais cedo, outros mais tarde, esse o inexorável destino do nosso navegar.

      Um abraço. Tudo de bom.
      💙 Titanomaquia, o bafafá dos deuses.

      Excluir
  3. Oi, Tonico!

    Um texto mto inteligente e realista.

    O Infante D. Henrique era um homem mto visionário e sabia bem o k dizia qdo usava o "preciso". Exatamente, palavras homónimas.

    Fernando Pessoa foi um grande poeta e parece k via para além do corpo, da matéria, mas creio que suas teorias eram um tanto fora do seu tempo, um pouco loucas, e foi preciso criar heterónimos para se fazer ouvir e dividir. Às vezes, o não entendo.

    Vamos vivendo um dia de cada vez, pke ninguém sabe qdo findarão nossos dias.

    Bisous.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Navegando sempre, como é preciso, enfrentando a imprecisão da vida, o destino a improvisar surpresas alegres ou tristes. Um poeta do quilate de Pessoa, transcende à percepção vulgar, à compreensão comum.

      https://www.youtube.com/watch?v=_fUMBH9j__E

      Os Argonautas

      O barco, meu coração não aguenta
      Tanta tormenta, alegria
      Meu coração não contenta
      O dia, o marco, meu coração
      O porto, não
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      O barco, noite no céu tão bonito
      Sorriso solto perdido
      Horizonte, madrugada
      O riso, o arco, da madrugada
      O porto, nada
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      O barco, o automóvel brilhante
      O trilho solto, o barulho
      Do meu dente em tua veia
      O sangue, o charco, barulho lento
      O porto, silêncio
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver não é preciso
      Navegar é preciso
      Viver . . .
      Compositores: Emanoel Viana Teles Caetano Veloso

      Um abraço.

      Excluir
    2. Navegando, caminhando com precisão para que a vida faça sentido.
      Pessoa foi um grande e diversificado poeta, embora eu o não o considere o maior de Portugal.

      Adorei a voz de Bethania e a letra é um must. Linda e bem verdadeira.

      Beijão e bom fim de semana.

      Excluir
    3. Vamos tocando o barco com poesia e música.

      Um fim de semana com tudo de bom. Abração.

      Excluir
  4. Adorei o texto e o poema. Mito sábio. Parabéns:))

    Hoje:- Os meus desígnios

    Bjos
    Votos de uma óptima Quinta - Feira.

    ResponderExcluir
  5. Interesting. Never thought about it before. Although this is my lifestyle. Not knowing this legendary phrase, I lived according to its canons. Never delay for tomorrow. And live for today.

    ResponderExcluir
  6. So do not postpone the distractions, let's not waste time on trifles because they prevent us from doing something that will be useful for us.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.







Fale conosco:




Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!



Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...


Topo